Cesar Millan participará da refilmagem de A Gangue dos Dobermans

By Dog Dicas on 29 de novembro de 2010

Cesar Millan acena para fotógrafos
Cesar Millan acena para fotógrafos na 24ª Premiação Anual da Imagen em Beverly Hills em 2009 (foto: AP / Chris Pizzello)

A Gangue dos Dobermans” um dos mais famosos filmes de cães do mundo, e com certeza o mais famoso envolvendo Dorbermans, será refilmado com a participação de Cesar Millan. O comportamentalista e apresentador do programa de TV “O Encantador de Cães”, em parceria com o produtor Darren Reagan, está usando sua influência em Hollywood para trazer a trilogia de volta aos cinemas.

“Era um sonho meu de muito tempo fazer parte do remake deste filme. Esse era um dos meus filmes favoritos quando criança e é uma honra fazer parte de um filme que traz essa grande estória de volta à vida. Assistir o poder da matilha na tela grande é um verdadeiro sonho pra mim”, disse Millan.

“A Gangue dos Dobermans” foi produzido em 1972 e conta a estória de um criminoso que com a ajuda de um ex-combatente do Vietnã, expert em adestramento, resolve treinar Dobermans (raça mais temida da época) para realizar assaltos à bancos. Os seis cães tinham nomes de criminosos famosos: Dillinger (John Dillinger), Bonnie (Bonnie Parker), Clyde (Clyde Barrow), Pretty Boy Floyd, Baby Face Nelson e Ma Barker.

Apesar do baixo orçamento, o filme foi tão popular que ganhou duas continuações e fez com que uma geração inteira temêsse e admirasse a raça, ao mesmo tempo em que a tornou amplamente conhecida por sua disciplina e ferocidade, iniciando um culto de seguidores que até hoje lembram com respeito da matilha de orelhas pontudas do filme.

Cesar ainda não decidiu se vai aparecer no longa ou apenas ficar nos bastidores, mas está animado com a produção.

Antibiótico é coisa séria

By Fernanda Martins on 29 de novembro de 2010

Os antibióticos são os queridinhos da medicina e não haveria como ser diferente. Antes deles, infecções que hoje são perfeitamente tratáveis dizimaram milhares de pessoas e animais.  Por isso, não é à toa que a história da humanidade mudou após sua descoberta – eles aumentaram a nossa perspectiva de vida.

O primeiro antibiótico descoberto foi a Penicilina, uma substância antimicrobiana produzida por fungos do gênero Penicillium com o objetivo de eliminar bactérias competidoras. Devido a essa propriedade a Penicilina começou a ser usada no combate às doenças. A partir dela, a utilização dos antibióticos se tornou freqüente e diversos princípios antimicrobianos surgiram – e evoluíram – para acompanhar a resistência, cada vez maior, dos microorganismos causadores de doenças.

Conceitos

Antes de falarmos sobre os microorganismos que desafiam os antibióticos, gostaria de esclarecer alguns conceitos: os antimicrobianos são substâncias que combatem microorganismos, englobando os patogênicos e os não patogênicos. Já os antibióticos são medicamentos mais específicos, que agem contra microorganismos patogênicos causadores de infecções. Cada antibiótico tem seu espectro de ação, ou seja, sua abrangência: os que possuem amplo espectro são aqueles que atuam combatendo um grande número de microorganismos diferentes e os de pequeno espectro são aqueles que combatem um número reduzido de microorganismos.

A escolha do antibiótico

O procedimento ideal para escolher corretamente um antibiótico é fazer uma cultura e um antibiograma para tentar identificar o microorganismo e certificar-se que o antibiótico a ser usado é eficaz contra ele. Como muitos proprietários me questionam sobre como funciona esse procedimento, irei explicá-lo: uma amostra é coletada do animal e através dela se faz o cultivo do microorganismo (cultura). Após o crescimento das colônias do microorganismo cultivado é feita sua identificação e um teste com vários tipos de antibióticos para saber quais deles combatem aquele microorganismo em questão (antibiograma). Mas vale lembrar que esta situação ideal nem sempre é possível de ser realizada, pois todo esse trabalho laboratorial leva certo tempo e em muitos casos não podemos esperar, visto que o tratamento deve ser iniciado imediatamente. Nesses casos, é feita uma análise geral do quadro do animal para prever o agente atuante e utilizado um antibiótico de amplo espectro até que os resultados dos exames fiquem prontos.

Na escolha do antibiótico também devemos considerar o animal a ser tratado: seu estado fisiológico e nutricional, sua idade, seu histórico de doenças, presença de doenças concomitantes, prenhez e etc. É preciso cautela quando o uso de antibióticos se faz necessário, pois tais medicamentos possuem efeitos tóxicos para o organismo do animal, podendo agravar o seu quadro clínico, além de algumas substâncias serem contra-indicadas em certos casos, como na gravidez e na lactação. Uma vez determinado qual antibiótico será usado, o esquema de tratamento é montado de modo que a infecção seja eliminada no menor tempo possível e com os mínimos efeitos colaterais para o animal.

É comum os proprietários suspenderem o tratamento depois que os sintomas desaparecem e esse é um erro grave que não deve ser cometido

Ao iniciar um tratamento com antibióticos, alguns pontos importantes devem ser respeitados. O primeiro deles é o horário de administração do medicamento (por exemplo, de 8\8 horas ou de 12\12 horas), que deverá ser seguido rigorosamente – isso porque ‘deslizes’ nos horários favorecem o surgimento de cepas (tipos) de patógenos resistentes. Isso quer dizer que os medicamentos devem sempre ser dados na hora certa, durante todo o tratamento. A duração do tratamento, em geral, é de 5 a 10 dias, porém algumas enfermidades requerem um tempo maior. É comum os proprietários suspenderem o tratamento depois que os sintomas desaparecem e esse é um erro grave que não deve ser cometido, pois essa interrupção é outro fator que contribui para o aparecimento de patógenos resistentes.

O uso banalizado e incorreto dos antibióticos é um dos principais fatores responsáveis pelo surgimento de microorganismos resistentes que sofrem mutações genéticas que os torna capazes de não sofrer a ação dos antibióticos. Os microorganismos que sofreram a alteração genética passam sua característica de resistência à descendência. Assim, os antibióticos atuam como um agente selecionador, eliminando as bactérias não resistentes e deixando vivas – e proliferando – aquelas mais fortes e resistentes que eles não conseguiram combater.

Portanto, ouçam o meu apelo: os antibióticos, assim como outros medicamentos, nunca devem ser usados sem a orientação de um Médico Veterinário, cujas recomendações devem ser seguidas à risca. Se usados incorretamente, podem causar sérias conseqüências para o organismo do animal e para a saúde da população em geral devido ao surgimento de patógenos resistentes. Desse modo, a prescrição e o uso desses medicamentos devem ser encarados com seriedade e a responsabilidade cabe tanto ao profissional, que prescreveu, quanto ao proprietário, que fará o tratamento em casa.