Cães na guerra

By Dog Dicas on 29 de julho de 2009

Rexo
Rexo – cão militar ou MWD (foto: Beverly & Pack / Flickr)

 

  • Cães-de-guerra são relatados entre os egípcios, os sumérios e nos exércitos de Ciro e Alexandre Magno. Os romanos utilizavam cães em suas legiões, cobertos de couro e portando fogo em recipientes de bronze para incendiar acampamentos inimigos
  • No século XVI, na guerra franco-britânica, Henrique VIII utilizou mais de 500 cães contra Carlos V da França;
  • Os conquistadores usaram cães no aniquilamento dos impérios inca e asteca. Os índios dos EUA aproveitavam seus cães como sentinelas, na captura de invasores e como fonte de alimento;
  • Na 1ª Guerra Mundial foram utilizados 400.000 pastores alemães. A Alemanha os incorporava desde 1883 possuindo cerca de 6.000 no início da guerra (em clara vantagem contra os cerca de 250 cães sanitários da França) e anexou mais 35.000;
  • Na 2ª Guerra Mundial a Alemanha tinha 200.000 cães. Por não os possuírem, os EUA desenvolveram centros especiais de treinamento militar denominados K9 e treinaram cerca de 15.000 cães que participaram de batalhas na Europa e até na África;
  • A União Soviética utilizou 40.000 cães ‘suicidas’, armados com bombas para conter o avanço da divisão Panzer alemã;
  • Os pastores alemães, na Itália se destacaram como cães pára-quedistas;
  • Como muitas mensagens eram interceptadas, o yorkshire, levava bilhetes e ordens por túneis que só ele passava. Depois disso tiveram início o uso de ‘cães de ligação’ que, além de transportar uma mensagem na sua coleira, ainda levavam um pombo-correio no colete destinado à resposta;
  • As Forças Armadas Americanas classificaram como ‘heróis anônimos’ os 281 cães mortos na Guerra do Vietnã. Atualmente, o Exército tem 500 deles, muitos no Iraque onde mais de 130 mil soldados são ajudados por cães conhecidos como MWD (Military Working Dog), treinados para detectar explosivos.

Carrapatos vs Ivermectina

By Fernanda Martins on 29 de julho de 2009

Meu vizinho tem um cão com muito carrapato. Ele já passou Kombat líquido mas não teve sucesso. Gostaria de saber se ele deve aplicar Ivomec.
(Paulo Cesar Francisco – Tec Segurança no Trabalho – Pitangueiras / SP)

Olá Paulo Cesar, o Ivomec (Ivermectina) tem sido usado com sucesso para controle de ectoparasitas em cães, entre eles o carrapato.

Porém, vale ressaltar que esse medicamento deve ser usado com cautela e com acompanhamento de um médico veterinário, pois ele pode causar intoxicação. Algumas raças são mais sujeitas à reações adversas, como os collies, afgans, pastores australianos, old english sheepdogs, pastores de shetland e outros cães que resultam de cruzamentos dessas raças. A intoxicação por Ivermectina resulta da concentração da droga no sistema nervoso central (SNC) e raças suscetíveis como estas podem apresentar esse quadro, mesmo quando aplicada a dose recomendada.

Não é aconselhado o uso da Ivermectina em filhotes com menos de 6 semanas de idade, em gestantes ou em doses diferentes das indicadas na bula do medicamento.

A dica é conversar com o seu médico veterinário e comparar entre os produtos do mercado pet, que também sejam destinados para o controle de carrapatos, os que possuem maior margem de segurança.

Além do seu vizinho, você também deve tratar seu cão para evitar uma infestação.