Fernanda Martins

Colunas

Antibiótico é coisa séria

Os antibióticos são os queridinhos da medicina e não haveria como ser diferente. Antes deles, infecções que hoje são perfeitamente tratáveis dizimaram milhares de pessoas e animais.  Por isso, não é à toa que a história da humanidade mudou após sua descoberta – eles aumentaram a nossa perspectiva de vida.

O primeiro antibiótico descoberto foi a Penicilina, uma substância antimicrobiana produzida por fungos do gênero Penicillium com o objetivo de eliminar bactérias competidoras. Devido a essa propriedade a Penicilina começou a ser usada no combate às doenças. A partir dela, a utilização dos antibióticos se tornou freqüente e diversos princípios antimicrobianos surgiram – e evoluíram – para acompanhar a resistência, cada vez maior, dos microorganismos causadores de doenças.

Conceitos

Antes de falarmos sobre os microorganismos que desafiam os antibióticos, gostaria de esclarecer alguns conceitos: os antimicrobianos são substâncias que combatem microorganismos, englobando os patogênicos e os não patogênicos. Já os antibióticos são medicamentos mais específicos, que agem contra microorganismos patogênicos causadores de infecções. Cada antibiótico tem seu espectro de ação, ou seja, sua abrangência: os que possuem amplo espectro são aqueles que atuam combatendo um grande número de microorganismos diferentes e os de pequeno espectro são aqueles que combatem um número reduzido de microorganismos.

A escolha do antibiótico

O procedimento ideal para escolher corretamente um antibiótico é fazer uma cultura e um antibiograma para tentar identificar o microorganismo e certificar-se que o antibiótico a ser usado é eficaz contra ele. Como muitos proprietários me questionam sobre como funciona esse procedimento, irei explicá-lo: uma amostra é coletada do animal e através dela se faz o cultivo do microorganismo (cultura). Após o crescimento das colônias do microorganismo cultivado é feita sua identificação e um teste com vários tipos de antibióticos para saber quais deles combatem aquele microorganismo em questão (antibiograma). Mas vale lembrar que esta situação ideal nem sempre é possível de ser realizada, pois todo esse trabalho laboratorial leva certo tempo e em muitos casos não podemos esperar, visto que o tratamento deve ser iniciado imediatamente. Nesses casos, é feita uma análise geral do quadro do animal para prever o agente atuante e utilizado um antibiótico de amplo espectro até que os resultados dos exames fiquem prontos.

Na escolha do antibiótico também devemos considerar o animal a ser tratado: seu estado fisiológico e nutricional, sua idade, seu histórico de doenças, presença de doenças concomitantes, prenhez e etc. É preciso cautela quando o uso de antibióticos se faz necessário, pois tais medicamentos possuem efeitos tóxicos para o organismo do animal, podendo agravar o seu quadro clínico, além de algumas substâncias serem contra-indicadas em certos casos, como na gravidez e na lactação. Uma vez determinado qual antibiótico será usado, o esquema de tratamento é montado de modo que a infecção seja eliminada no menor tempo possível e com os mínimos efeitos colaterais para o animal.

É comum os proprietários suspenderem o tratamento depois que os sintomas desaparecem e esse é um erro grave que não deve ser cometido

Ao iniciar um tratamento com antibióticos, alguns pontos importantes devem ser respeitados. O primeiro deles é o horário de administração do medicamento (por exemplo, de 8\8 horas ou de 12\12 horas), que deverá ser seguido rigorosamente – isso porque ‘deslizes’ nos horários favorecem o surgimento de cepas (tipos) de patógenos resistentes. Isso quer dizer que os medicamentos devem sempre ser dados na hora certa, durante todo o tratamento. A duração do tratamento, em geral, é de 5 a 10 dias, porém algumas enfermidades requerem um tempo maior. É comum os proprietários suspenderem o tratamento depois que os sintomas desaparecem e esse é um erro grave que não deve ser cometido, pois essa interrupção é outro fator que contribui para o aparecimento de patógenos resistentes.

O uso banalizado e incorreto dos antibióticos é um dos principais fatores responsáveis pelo surgimento de microorganismos resistentes que sofrem mutações genéticas que os torna capazes de não sofrer a ação dos antibióticos. Os microorganismos que sofreram a alteração genética passam sua característica de resistência à descendência. Assim, os antibióticos atuam como um agente selecionador, eliminando as bactérias não resistentes e deixando vivas – e proliferando – aquelas mais fortes e resistentes que eles não conseguiram combater.

Portanto, ouçam o meu apelo: os antibióticos, assim como outros medicamentos, nunca devem ser usados sem a orientação de um Médico Veterinário, cujas recomendações devem ser seguidas à risca. Se usados incorretamente, podem causar sérias conseqüências para o organismo do animal e para a saúde da população em geral devido ao surgimento de patógenos resistentes. Desse modo, a prescrição e o uso desses medicamentos devem ser encarados com seriedade e a responsabilidade cabe tanto ao profissional, que prescreveu, quanto ao proprietário, que fará o tratamento em casa.

Tags: ,

Fernanda Martins é médica veterinária formada pela UFRRJ (CRMV-RJ 7783) e especializada em pequenos animais.

Visite seu site | Leia outros artigos de Fernanda Martins



Comentários





Comentários

12 comentários para “Antibiótico é coisa séria”

  1. angelo

    olá..! eu tenho um chachorro lvavrador que tem um ano e um mês ele tava com as plaquetas baixae eu resolvi fazer huma besteira muito séria, dei a ele 1 ml de ivomec para matar os carrapatos hoje tem 2 dias ele amanheceu hoje sem forcas pra caminhar o que devo fazer por favor me dé um auxilio obrigado ?

  2. gerlinda rodrigues da silva

    BOM DIA!
    TENHO UMA CADELA DE RAÇA MESTIÇA(PUDO C/ PIQUINES) ELA DEVE ESTAR C/ UNS 10 ANOS AGORA, POIS ELA JÁ VEIO P/ MIM C/ UMA CERTA IDADE. ENTÃO Ñ SEI AO CERTO SUA IDADE, MAS POSSO AFIRMAR QUE É MAIS OU MENOS ESSA.
    BEM ELA ESTÁ C/ UMA OTITE CRÔNICA. JÁ COLOQUEI 2 TIPOS DE RÉMEDIO P/ OUVIDO E Ñ TENHO TIDO RESULTADO. GOSTARIA DE SABER SE TENHO QUE ENTRAR C/ UM ANTI-BIÓTICO E QUAL?

  3. sebastiana q oliveira

    meu cachorro e pastor alemao todos os dias ele toma no da banho mais mesmo assim os carrapatos nao desaparecem o que eu devo fazer nesse caso ja tomou remedio eu estou querendo alguem me ajude

  4. josé edmir girao

    Olá colega Fernanda Martins … boa tarde…
    So médico veterinário e gostei bastante de sua matéria sobre o uso de antibiótio.
    Geralmente só receito antibiótico em casos muito graves.
    Parabens continue pesquisando e orientando as pessoas do perígo do uso
    indiscriminado de antibióticos.

  5. Conceição Carvalho

    Gostei de todos os artigos, não tenho cães, mais um número bem grande de gatos, todos eles, dos mais velhos até os filhotes de quatro meses, estão com uma coceira terrível nos ouvidos , de chacoalhar a cabeça , li todos os artigos e gostei muito, e entendi o que está acontecendo com eles, só não sei como pegaram, os mesmos não saem de casa,( casa telada ). Muito interessante os artigos, parabéns!

  6. waldeli vani junior

    ola, tenho um bull terrier, acontece que ele esta infestado de carrapatos, ja tentei vario metodos para acabar com eles, o que faço, esta detonando com meu cachorro, o bob tem 5 anos, me ajude por favor.

  7. walter

    tenho uma sharpei de quase três meses,estou muito preocupado que apareceu umas perebinhas embaixo do pescoço e eu não estou sabendo cuidar,por favor doutora fernanda mim ajude

  8. walter

    tenho uma sharpei e estou preocupado apareceu uns carocinho embaixo do pescoço,e não sei como cuidar,mim ajude doutora por favor

  9. Tayre

    boa noite preciso de ajuda estou desesperada, minha cachorra sharpei de 11 anos tomou injeçao de anti consepcional mas mesmo assim ela domingo teve 3 filhotes que nasceram mortos na hora do parto ela soltou um liquido verde, hj ela esta muito magra, nao come esta amoada estou dando soro caseiro para ela nao desidratar, mas acho que ela esta com infecçao por dentro na minha cidade nao tem hospital veterinario nem faculdade estou desempregada e nao tenho como levar ela no veterinário. Me ajude por favor qual remedio anti inflamatorio humano posso dar pra ela?

  10. kallyne

    Boa noite tenho um poodle ele estava cm infecção intestinal mas o medico pediu para da o antibiótico por 5 dias só tem 3 q ele toma, pode da a ração para ele? É a única coisa q ele q comer e agua de coco.

  11. Carina

    ola Dotora. Minha cachorra tem sarna demodécica, faço tratamento com a aplicação do ivomec e shampoo cetoconazol e sabonete sulfurum. 2 anos após, o tratamento não tem dado mais resultado e continua com odor desagradável mesmo após banhos quinzenais. Olhei no blog bicho integral tratamentos homeopáticos: com uma 1 colher de própolis em solução aquosa — — em um litro de água ou naquela meleca de dentro das folhas de babosa e passe a água com própolis OU a babosa com própolis em solução aquosa (muito melhor!) no corpo e nas feridas do cão. Se ele estiver bem mal, pode ser usado todos os dias. O cão pode lamber sem problemas, apenas talvez fique com o intestino mais solto em virtude da ingestão oral da babosa e cápsulas de omega 3, alho para aumentar a imunidade do animal. Isso realmente pode ajudar? Por favor me oriente, ela já tem 15 anos (vira-lata) e não sei mais o que fazer. O site que pesquisei e até mandei e-mail para a doutora Carmen foram estes:
    http://www.blog.bichointegral.com.br/2010/08/sarna-demodecicae-agora.html
    http://www.loja.bichointegral.com.br/dermatologico/propomax/ Ela recomendou procurar uma veterinária homeopática, mas na minha cidade não há. Gostaria de testar alguns produtos recomendados por ela e sugestões suas
    sobre este caso. Obrigada.

  12. Weslley

    O carro passol em cima da minha cachorrinha, tem alguem que possa me fala qual remedio eu devo usar para na dar infeção, moro em uma cidade que não tem veterinario, ela urinou sangue mais agora parou