Biovet esclarece acusação de vacinas antirrábicas inseguras

By Dog Dicas on 3 de dezembro de 2010

Após publicação da Nota Técnica nº 161/2010 dos Ministérios da Saúde e Agricultura, uma série de notícias relatando que o Governo Federal proibiu as vacinas antirrábicas fabricadas pelo laboratório Biovet se espalhou pelos veículos de comunicação brasileiros e, conseqüentemente, pela Internet.

Algumas matérias publicadas, inclusive, chegaram a responsabilizar o fabricante pela morte de dezenas de animais imunizados durante a campanha de vacinação antirrábica, suspensa no país, oficialmente, em outubro de 2010. Diante disso, a Dog Dicas entrou em contato com o Laboratório Biovet para obter uma posição da empresa a respeito do fato e obteve as seguintes informações:

1) De forma transparente, o Laboratório Biovet continua em sintonia com todos os órgãos oficiais competentes para prestar os esclarecimentos necessários à sociedade sobre a qualidade dos lotes/partidas nº 059/2010, 139/2010, 177/2010 e 213/2010 da vacina RAI-PET 25 doses que forneceu à Campanha Nacional de Imunização de Cães e Gatos.

2) Nesse sentido, sobre a NOTA TÉCNICA divulgada em 29/11 pela Secretaria de Defesa Agropecuária (SDA) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), o Laboratório Biovet destaca a seguinte informação oficial sobre os eventos adversos relatados na mídia: “Após realização de auditoria no sistema de produção da empresa Biovet, constatou-se que não ocorreram alterações na metodologia de produção e de controle da qualidade que justifiquem o aparecimento desses eventos adversos.”

3) O MAPA informa ainda que, dos quatro lotes/partidas da vacina RAI-PET, 25 doses fornecidos à campanha, apenas um (nº 059/2010) apresentou resultados discrepantes, mas até o momento “não foi possível chegar a uma conclusão sobre o motivo da alteração constatada nessas amostras”.

4) Dessa forma, o Laboratório Biovet volta a informar que a vacina RAI-PET possui licença de fabricação desde o ano de 2003 (no. 8.657), e todos os lotes do produto são aprovados oficialmente, conforme mencionado na referida NOTA TÉCNICA do MAPA: “Vale ressaltar que 100% das partidas da vacina fabricadas e importadas são testadas em laboratórios oficiais antes de serem comercializadas, para avaliação da segurança e eficácia e, na ocasião, não foi detectado nenhum problema no processo produtivo da vacina antirrábica canina.”

5) Por sua vez, o produto RAI-PET apresentado em frasco com uma dose (1 mL) continua com sua comercialização normal.

Para mais informações e esclarecimentos, o Biovet disponibiliza o telefone 0800.055.66.42 para atendimento público.

Viajando com seu cão de avião

By Fernanda Martins on 16 de novembro de 2009

TAM
As exigências para transporte de animais são diferentes em cada companhia aérea e se informar com antecedência ajuda a evitar surpresas (foto: Jorge Tiago / Flickr)

 

As férias estão chegando e você decide viajar com seu cão. Boa idéia! Porém logo surge uma pergunta: O que é preciso fazer para que tudo dê certo? Alguns cuidados e providências devem ser tomados para que a experiência da viagem seja boa, tanto para você quanto para o seu cão. Vamos às dicas:

Antes de qualquer coisa, certifique-se que o seu cão está em boas condições gerais de saúde e tenha atenção aos seguintes pontos:

  • As cadelas prenhes não podem viajar de avião (algumas companhias chegam a proibir o embarque);
  • Os cães idosos, por serem mais susceptíveis ao estresse, não devem fazer esse tipo de viagem, principalmente se tiverem algum problema de saúde, como problemas cardíacos, ou se não estiverem acostumados a viajar;
  • Filhotes são desaconselhados a viajar antes de completarem o calendário de vacinação pelo risco de contraírem alguma doença e pela exigência do comprovante de vacinação para o embarque;
  • Algumas raças com focinho achatado como pug, bulldog, boxer e shih tzu são mais propensas a terem falta de ar por causa da altitude devido à conformação anatômica das suas vias respiratórias – há casos de cães que morrem nas viagens;
  • Certifique-se sobre os riscos do cão contrair Dirofilaria (verme do coração) no local de destino e, se for o caso, faça a prevenção.

Ao escolher a companhia aérea é importante informar-se sobre as especificações para transporte de animais, pois cada companhia possui suas normas. Algumas permitem que cães com até 10 kg (peso do cão somado com a caixa de transporte) viajem na cabine junto com seu dono, outras só permitem que o cão viaje no compartimento de cargas. Apenas os cães-guia, chamados de animais de serviço, viajam sempre na cabine junto com o dono e algumas companhias nem mesmo exigem uso de focinheira, considerando o treinamento que esses cães têm. As companhias também fornecem as dimensões exatas que a caixa de transporte deve ter, de acordo com o peso do cão. Lembre-se de contatar a companhia aérea com antecedência para reservar o lugar do seu cão, pois há limite máximo de animais por vôo. Quanto ao tipo de vôo, a melhor opção é o vôo direto, sem escalas, principalmente se o cão for viajar com as cargas. Se isto ocorrer, evite os horários mais quentes do dia (em caso de verão) ou os mais frios (em caso de inverno).

A documentação exigida para o deslocamento de animais depende do destino. Para vôos dentro do território nacional, não é necessário GTA (Guia de Trânsito Animal) para cães e gatos. Exige-se apenas o atestado sanitário emitido por um médico veterinário registrado no Conselho Regional de Medicina Veterinária e a comprovação da vacinação contra a raiva, obrigatória para animais com mais de três meses de idade e que deve ter sido aplicada há mais de trinta dias e menos de um ano. A carteira de vacinação contra a raiva deve conter: o nome do laboratório fabricante da vacina, selo da vacina, número do lote ou partida, data de fabricação, data de aplicação e validade da vacina, e ainda carimbo e assinatura do médico veterinário. Para viajar, as vacinas dadas em campanhas de vacinação não são válidas, pois elas não possuem carimbo de um médico veterinário.

Quanto ao tipo de vôo, a melhor opção é o vôo direto, sem escalas, principalmente se o cão for viajar no porão

Para vôos internacionais é importante entrar em contato com o consulado do país de destino para informar-se sobre as exigências em relação à entrada de animais em seu território, uma vez que cada país possui suas próprias regras. Por exemplo, a Austrália é um dos países mais rigorosos quanto à entrada de animais, chegando até mesmo a proibir a entrada de animais provenientes do Brasil alegando não ser um país livre da raiva. Em contrapartida, o EUA é um dos países com menor rigidez quanto a entrada de animais. Para qualquer destino fora do Brasil é necessário um documento chamado CZI (Certificado Zoossanitário Internacional), emitido pelo Serviço Veterinário Oficial do país de origem, com o objetivo de garantir o cumprimento das condições sanitárias exigidas para o trânsito internacional de animais até o país de destino. O CZI é obtido na Unidade do Ministério da Agricultura situada no aeroporto e a documentação e vacinas exigidas variam de acordo com o país. Um detalhe importante é que, para a emissão do CZI, a validade do atestado sanitário dado pelo médico veterinário é de apenas 72 horas. Para mais informações acesse: www.agricultura.gov.br.

Na hora de adquirir a caixa de transporte, atente para o fato de que ela deve ser adequada ao tamanho e peso do cão e se enquadrar nas especificações fornecidas pelas companhias aéreas. Independentemente das dimensões, a caixa de transporte deve:

  • Ter tamanho suficiente para que o animal fique de pé e dê uma volta de 360°;
  • Não ser grande demais, para evitar que o cão seja jogado contra as paredes da caixa em caso de turbulência;
  • Ser feita de material que evite vazamentos de dejetos do animal;
  • Ter abertura em pelo menos três lados para permitir uma boa ventilação;
  • Ter alças fortes, pois a caixa será manipulada pelos funcionários da bagagem;
  • Ter locais fixos para água e comida.

Dica: O cão deve se acostumar com a caixa antes da viagem. Para isso, deixe que ele entre, saia, brinque e coma dentro da caixa. Depois, deixe que ele fique dentro da caixa fechada por curtos períodos ao longo do dia. Estes procedimentos de familiarização do cão com a caixa de transporte diminuirão seu estresse com a viagem e o farão considerar a caixa como um lugar seguro.

Com tudo pronto, chegou a hora do embarque. O que fazer para preparar seu cão para o vôo? Seguem as dicas:

  • O primeiro passo é a identificação do cão, feita através de uma coleira com todos os dados do proprietário, contatos e local de destino;
  • Deixe-o sem comer por pelo menos três horas antes do embarque, para evitar vômitos durante o vôo;
  • Ande com seu cão pelo tempo suficiente para que ele fique cansado e urine ou defeque, assim ele ficará mais relaxado durante a viagem;
  • Colocar dentro da caixa o brinquedo preferido dele, também algo que contenha o seu cheiro (pode ser uma peça de roupa) e uma almofada ou travesseiro;
  • Evite despedidas longas e demoradas, pois deixam o cão mais ansioso durante a viagem;
  • A sedação altera os reflexos e equilíbrio do animal, o que pode ser bastante prejudicial durante o vôo. Ela deve ser evitada e feita somente sob prescrição do médico veterinário, quando necessária.

Agora é só aproveitar.
Boa viagem!

Cuidados antes do primeiro passeio do filhote

By Fernanda Martins on 10 de outubro de 2009

Chegou um filhote na família e você está ansioso para sair, passear a apresentá-lo a todos, não é? Porém logo surge uma pergunta: quando seu novo amigo poderá sair para passear? Vejo muitos clientes com essa dúvida, principalmente aqueles que nunca tiveram cães.

A regra é que o filhote só poderá sair para passear após terem sido aplicadas todas as vacinas. Sim, todas! Antes que isso ocorra, o cãozinho não está totalmente protegido contra as doenças que elas evitam. Se, durante o período entre as doses das vacinas, os filhotes forem expostos a animais doentes ou circularem em locais onde estes animais estiveram, eles poderão se infectar. Por isso, aconselho que nessa primeira fase da vida do seu cão, as saídas devam ser apenas para ir ao veterinário e preferencialmente no colo. Também oriento meus clientes a terem um cuidado importante em casa: evitar que o filhote, que adora roer tudo, morda ou brinque com sapatos que vieram da rua porque podem estar contaminados. Evite também contato do seu filhote com outros cães que não sejam vacinados.

De maneira geral, utilizo na minha rotina clínica o seguinte protocolo de vacinação: A vacina múltipla (que protege contra as principais doenças infecciosas do cão) é dada em três doses, sendo a primeira aplicada entre 45 a 60 dias de vida. As doses seguintes serão feitas 30 e 60 dias após a primeira. A partir dos 4 meses deve ser dada a vacina contra a raiva, em uma única dose. Além dessas, existem outras vacinas que também devem ser administradas, como a vacina contra tosse dos canis e a vacina contra Giardia.

Consulte o médico veterinário para que ele faça um esquema de vacinação ideal para seu filhote e lembre-se de que após completar o calendário, as vacinas terão repetição anual (um ano após a última dose).

Se o seu filhote for mais velho e estiver fora desse protocolo geral de vacinação, a minha recomendação é administrar duas doses da vacina múltipla, com 30 dias de intervalo entre elas, e uma dose da vacina contra raiva. O mesmo procedimento vale para os cães que são adotados adultos. Em ambos os casos, refiro-me aos cães que não possuem histórico de vacinação comprovado.

Um outro detalhe importante que nunca deixo de mencionar é, que além das vacinas, os cãezinhos também precisam ser vermifugados. Assim como as vacinas, os vermífugos (remédios que matam os vermes) devem ter três administrações: aos 30, 45 e 60 dias de idade. Depois das doses iniciais, o vermífugo deve ser repetido, pelo menos, a cada 4 meses durante toda a vida do cão.

Enquanto os passeios não acontecem, uma dica é acostumar seu filhote com a coleira, pois muitos estranham aquela “coisa” no pescoço nas primeiras saídas. Coloque a coleira e passeie dentro de casa mesmo. Faça brincadeiras e dê petiscos para que ele associe a coleira a coisas boas e goste de usá-la.

Completado o calendário de vacinação e vermifugação você e seu cão poderão, com segurança, sair e se divertir bastante!

Bom passeio!