Ou Eu ou o Cachorro, de Victoria Stilwell, ensina a educar seu cão

By Dog Dicas on 15 de dezembro de 2010

Ou Eu ou o Cachorro, livro de Victoria Stilwell, ensina aos donos como educar seu cão (foto: divulgação)

Seu cão anda desobedecendo, vive estragando suas coisas e ainda se comporta mal? Talvez a solução para esses problemas possa ser encontrada no livro “Ou eu ou o cachorro – dicas infalíveis para ter uma relação melhor com cães desobedientes”, escrito por Victoria Stilwell, treinadora de cães reconhecida por seu método da recompensa e apresentadora do Programa “Ou eu ou o Cachorro” (It´s Me or the Dog).

O livro, dentre outros assuntos, traz explicações sobre como funciona o mecanismo de aprendizagem dos cães e sobre o que fazer quando a situação com o pet está fora de controle.

Na introdução da obra a autora avisa que dará conselhos sobre cuidados gerais com os cães e apresentará soluções testadas na prática para os principais problemas com cães indisciplinados. Contudo, Victoria também ressalta logo de início que é contra o método da dominância: “treinamento não tem nada a ver com impôr sua vontade ao cachorro, mas, sim, dar a eles as ferramentas para que viva em seu mundo”.

Além disso, em todos os capítulos a treinadora reitera que para convivermos harmoniosamente com os cães é preciso que, desde filhotes, aprendamos a pensar como eles, falar sua língua e ver o mundo com seus olhos.

A grande novidade encontrada nas páginas do livro é o programa para aplicação em cães de todas as idades e raças. Elaborado por Victoria, o programa didático traz o passo-a-passo para educar os cães corretamente, falar com os animais, fornecer alimentação adequada e, finalmente, harmonizar a convivência dos seres humanos com seus animais de estimação.

Rico em ilustrações e com uma linguagem simples e atrativa, o livro – publicado no país em 2009 pela editora Panda Books – é um excelente guia tanto para donos de filhotes quanto para quem possui cães adultos com hábitos desagradáveis. Fica a dica para escolhê-lo como um ótimo presente de Natal.

Editora Abril lança Guia de Saúde do Pet

By Dog Dicas on 14 de dezembro de 2010

O Guia de Saúde do Pet é revisado por Mário Marcondes dos Santos e Fernanda S. Fragata do Hospital Veterinário Sena Madureira(foto: Editora Abril / divulgação)

Só quem tem um animal de estimação sabe as inúmeras dúvidas que, muitas vezes, atormentam os donos no que diz respeito aos cuidados com a saúde e o bem estar de nossos companheiros.

Pensando nisso, recentemente a Editora Abril lançou o Guia de Saúde do Pet,  uma espécie de livro de bolso da Revista Saúde! que reúne, de forma clara e muito atrativa, informações e orientações de renomados veterinários e comportamentalistas animais.

Com conteúdo revisado por Mário Marcondes dos Santos e Fernanda S. Fragata, médicos veterinários e diretores do Hospital Veterinário Sena Madureira, o guia aborda temas como adestramento, peculiaridades de cada fase da vida, acasalamento, orientações para evitar dor de cabeça na hora de viajar com o animal, cuidados de higiene, alimentação, chegada da velhice e até mesmo a morte do cão.

No primeiro capítulo o Guia traz informações sobre as vantagens e benefícios que a companhia de um animal de estimação traz para a saúde humana, além de abordar as características físicas e comportamentais de cães e gatos.

Além do projeto gráfico bem elaborado e colorido, outro diferencial da publicação são as dicas de prevenção dos principais problemas que acometem os pets.

O Guia de Saúde do Pet é vendido por R$ 24,90 e pode ser encontrado na loja on-line da editora Abril.

Livro infantil conta a história de Yogi, um cão diferente

By Dog Dicas on 24 de novembro de 2010

Yogi e sua língua pendurada (foto: Amy Dunn)

Desde quando ser diferente é um empecilho para alcançar o sucesso e até se tornar um presidente? Essa é lição do livro infantil “When Yogi ran for presidente: A true underdog tail” (Quando Yogi se tornou presidente: O verdadeiro conto de um cão rejeitado), de Kevin Donahue, que será lançado nos Estados Unidos nos próximos meses.

O conto narra a história de Yogi, um cão que, devido a um problema, tem a língua sempre pendurada para fora da boca e por isso é desprezado e ridicularizado por outros cães na escola. Mas que com a ajuda e incentivo de seu melhor amigo, Delilah, consegue superar os obstáculos e fazer coisas que os outros julgavam impossível. Além disso, o livro também traz explicações para as crianças sobre a política e as funções desempenhadas pelo presidente.

Apesar de fictícia, a narrativa o livro se baseia na história real da vida de Yogi, um pug de 7 anos, preto, cuja história começa em 2006, após deixar a residência de uma família que não tinha condições de cuidar dele e ir para a casa de Kevin.

A partir daí, o diferencial de Yogi, juntamente com sua esperteza e graciosidade, passou a chamar tanto a atenção das pessoas durante os passeios diários, que seu novo dono criou um site para responder as perguntas de internautas do mundo todo sobre o cão e postar fotos engraçadas.

Yogi se tornou uma estrela nos EUA, o que rendeu diversas participações em programas televisivos e, até mesmo, uma marca com seu próprio nome. A deficiência do pequeno pug foi, inclusive, objeto de estudo de alguns veterinários, que afirmam que a língua do cão para fora da boca pode ser seqüela de um leve derrame.

Para o autor do livro e proprietário de Yogi não importa qual seja a origem da particularidade do cão. O que realmente importa é que Yogi é um exemplo de que ser diferente é normal e não impede ninguém de ser feliz e alcançar seus objetivos. O lema de Yogi, segundo Kevin Donahue, é “Se a vida cortar sua língua….continue a lamber”.

Esperto pra cachorro

By Fernanda Martins on 18 de novembro de 2010

Com freqüência, as pessoas me perguntam a respeito da inteligência dos seus cães e sobre sua capacidade de aprendizagem.  É comum ouvir dos proprietários: “ele entende tudo o que digo”, ou “ele só falta falar”…  E, de fato, são muitas as demonstrações de esperteza que os cães nos dão.

Na Polícia Militar de São Paulo, por exemplo, os cães são treinados para encontrar drogas, explosivos e pessoas desaparecidas e, para isso, atendem a comandos que são dados em três idiomas: inglês, alemão e português.  Inúmeros casos já foram relatados sobre cães que previram acidentes e catástrofes naturais. Mais ainda: quantos episódios diários nós presenciamos onde a capacidade de ‘raciocínio’ dos cães nos surpreende? Eles conhecem cada reação do dono, se escondem quando fazem besteiras antes mesmo de serem descobertos e sabem identificar prontamente pessoas que precisam de ajuda. Não é por acaso que os cães são escolhidos para ajudar em diversos trabalhos de terapia.

Mas, até onde os cães realmente nos entendem?  Ou melhor, até que ponto esses nossos amigos são capazes de aprender e realizar tarefas?

Nos últimos anos, muitos estudos foram feitos para esclarecer esse mistério. Um dos mais famosos é o do psicólogo e pesquisador Stanley Coren, autor do livro “A Inteligência dos Cães”. Neste estudo é mensurada a ‘Inteligência de Obediência e Trabalho’ e não a inteligência ‘instintiva’ dos cães. Ou seja, ele avalia a capacidade que cada raça tem de entender e efetuar comandos para realizar determinada tarefa e estabelece uma classificação dessas raças por grupos, desde as que têm o melhor e mais rápido desempenho até as que possuem maior dificuldade em obedecê-los.

De acordo com o estudo, a raça considerada ‘mais inteligente’ é o Border Collie e a raça que apresenta ‘maior dificuldade em obedecer’ é o Afghan Hound. Expressei a classificação do estudo entre ‘aspas’ porque penso que cada animal, não só o cão, possui um tipo peculiar de inteligência e dizer que um é mais que o outro não me agrada. De modo geral, todos os animais possuem mecanismos de aprendizado e, além disso, esse estudo trata apenas da capacidade de obediência e trabalho e, como sabemos, essas não são as únicas características de inteligência dos cães.

Um detalhe relevante é que as raças possuem aptidões diferentes para trabalhos – e isso deve ser levado em consideração na hora da escolha da raça para determinada função – e, mesmo dentro de uma mesma raça, há diferenças significativas entre os cães. Um cão nunca é igual a outro, mesmo que sejam da mesma ninhada. Cada um tem suas próprias características, além de haver também diferença entre os sexos. Um exemplo prático disso é que, para o trabalho de resgate do Corpo de Bombeiros, onde geralmente são escolhidos Labradores, há uma preferência por fêmeas porque elas são mais dóceis e não apresentam a dominância dos machos.

Segundo Stanley Coren, ainda, os cães são capazes de aprender cerca de 160 palavras, podendo, assim, ser comparados a bebês humanos. Outros estudos demonstram que alguns cachorros têm a capacidade de contar até cinco e que tentam enganar os humanos para conseguir o que desejam. Uma equipe coordenada pelo pesquisador Brian Hare, da Universidade de Harvard, relata que os cães são os animais que melhor compreendem os sinais humanos. Nem mesmo os chimpanzés – os animais mais próximos do ser humano na evolução – tiveram o mesmo desempenho.

Cada animal tem o potencial de aprendizado e adaptação necessário para sua sobrevivência, o que é demonstrado de acordo com os desafios que são enfrentados ao longo da vida. Durante o processo de domesticação os cães foram selecionados por um conjunto de habilidades que os capacitaram a se comunicarem conosco. Eles entendem muito bem nossa linguagem e usam, satisfatoriamente, a sua própria para se expressar.  À sua maneira, os cães conseguiram meios de se fazerem entender e de, melhor que qualquer outra espécie, demonstrar o que os humanos mais precisam e que muitas vezes não possuem: um amor que não depende de nada, mas somente da existência do outro.

Quem sabe esta não é a forma mais inteligente de se expressar?

Livro explica a morte dos animais para crianças

By Dog Dicas on 10 de novembro de 2010

"Por que o Elvis não latiu?", explica a morte dos animais para crianças (capa:Tayla Nicoletti)

Dialogar com os pequenos sobre um assunto tão triste e ao mesmo tempo tão complexo: a morte do animal de estimação. Esse é o tema do livro infantil “Por que o Elvis não latiu?”, lançado pela Editora 8Inverso no início de novembro.

Com linguagem poética e palavras fáceis para o público infantil, no decorrer do livro o autor (Robertson Frizero) constrói uma narrativa que aborda aos poucos a questão da morte com as crianças de um modo muito particular, mas sem fugir da realidade.

O livro é uma dica para os pais que têm dificuldade de conversar sobre esse assunto com os filhos, pois também ensina aos adultos como abordar a perda do bichinho de estimação com as crianças, sem mentir ou fazer rodeios.

Lassie – a Collie popstar

By Dog Dicas on 6 de outubro de 2009

Lassie
Lassie, em filmagens na Flórida para a série de TV em 1965 (foto: State Archive of Florida)

Lassie é o personagem canino que mais fez sucesso na mídia em todo mundo. Para quem não sabe, se tratava de uma carismática e inteligente collie, que salvava a todos do perigo. Lassie foi criada pelo autor anglo-britânico Eric Knight no conto ‘Lassie Come-Home’, publicado no Saturday Evening Post em 1938 e como romance em 1940 (no Brasil, ‘A força do coração’).

Na estória, um menino possui uma collie excepcionalmente bela e leal, mas que é vendida a um nobre quando a família enfrenta graves dificuldades econômicas. Ambos sofrem com a separação, acentuada quando o novo proprietário a leva para centenas de quilômetros de distância. Mas Lassie consegue escapar e volta para o menino.

O livro foi adaptado para o cinema em 1943 e co-estrelado por Roddy McDowall e Elizabeth Taylor, respectivamente com quinze e nove anos de idade. O filme foi um sucesso e teve uma resposta favorável da crítica, o que fez a MGM produzir, nos anos seguintes, novos filmes com Lassie.

Na TV sua carreira teve início em 1954 em uma série no canal CBS (EUA), mas ao contrário do livro e dos filmes criados na Grã-Bretanha, a série de televisão norte-americana trouxe Lassie para uma fazenda nos Estados Unidos dividindo a cena com mais de uma criança. Posteriormente com trabalhadores florestais adultos e, finalmente, com crianças de um lar para crianças com problemas.

A série durou até 1974 com a marca de 588 episódios e ganhou dois prêmios Emmy. Mas as aparições de Lassie continuaram em filmes, séries, livros e comerciais por mais de 50 anos.

O primeiro cão a estrelar o papel de Lassie foi “Pal”, um collie treinado pelo Studio Dog Training School (posteriormente por Frank Freeman, futuro treinador de Benji).

Curiosamente, todos os cães que interpretaram Lassie eram machos. Na verdade, Lassie personagem nunca foi representada por uma fêmea. Os estúdios alegavam que a fêmea perde seu manto uma vez por ano e que o tamanho maior do macho era mais adequado para dividir as cenas com atores infantis.

Para perpetuar o porte e a pelagem de Lassie, Pal foi criado com fêmeas selecionadas e o uso de um cão da linhagem direta de Pal para interpretar a heróica collie é uma exigência dos fãs. Além de Pal, oito gerações de seus descendentes também interpretaram Lassie.

Algumas curiosidades sobre Lassie:

  • O desenho das labaredas e do grande avental branco do manto são registrados juridicamente;
  • Lassie é um dos três animais com uma estrela na calçada da Fama – ao lado de Rin Tin Tin e Strongheart. Além disso foi eleita o animal mais popular do cinema com 54% dos votos contra 22% do porquinho Baby e 11% da coruja Hedwig, de Harry Potter;
  • Em 2005 um remake do original ‘Lassie Come Home’ foi produzido no Reino Unido com Peter O’Toole e Samantha Morton;
  • Lassie continua a fazer aparições pessoais, bem como possui uma linha de comercialização de alimentos para animais e um programa de TV chamado “Lassie’s Pet Vet”, nos Estados Unidos.