Canicross, um esporte para você e para o seu cão

By Dog Dicas on 10 de dezembro de 2010

Canicross
Canicross em Quebec, Canadá (foto: Michael Carpentier / Flickr)

Criado no início da década de 90, no Reino Unido, como uma espécie de treinamento para cães de trenó ou de tração, o canicross tornou-se um esporte de corrida com cães muito popular na Europa e chegou ao Brasil. Segundo informações da Fábrica Brasileira de Shows e Eventos, a criação da Federação Brasileira de Canicross está em andamento.

O canicross é uma corrida cross country, isto é, na natureza, onde o dono e seu cão competem juntos. O primeiro usa um cinto (Waist Belt) e o segundo um arreio especial (Running Harness) e ambos são unidos por uma guia com uma parte elástica (Canicross Line) para evitar trancos.

Durante a corrida, o cão vai na frente do corredor, que compete com as mãos livres mas tem que estar atento para projetar o corpo para trás, no caso de reduzir o ritmo do animal, e dar comandos de “esquerda” ou “direita” para o cão, de acordo com a direção da trilha da competição.

O primeiro Campeonato Mundial de canicross aconteceu em 2002 na província de Ravena (Itália). No canicross competido por profissionais não existe limite máximo de faixa etária, mas a idade dos cães não pode ser inferior a 1 ano e dos competidores não pode ser inferior a 7. As categorias (masculino e feminino) são divididas por idade dos corredores.

Ao contrário de outros tipos de competições profissionais que envolvem cães, o canicross não exige pedigree, por isso é permitida a participação de cães de todos os tamanhos e raças, incluindo os vira-latas.

Por trabalhar todos os músculos do corpo, o canicross é uma atividade física com inúmeros benefícios para a saúde dos cães e dos seres humanos. Por isso, para aqueles que querem manter a forma física ao lado do seu cão, seguem algumas dicas:

  • Antes de sair correndo, é aconselhável que tanto o cão quanto o dono realizem exames para verificar suas condições físicas e de saúde;
  • O cão e o corredor devem beber bastante água fresca antes, durante e após a corrida para ficarem hidratados;
  • Não alimente o cão antes ou logo após a corrida para evitar complicações;
  • O ideal é praticar o canicross em terrenos irregulares, com terra e área verde. Contudo, aqueles que desejam treinar aos finais de semana nas proximidades de sua residência devem evitar fazê-lo por longos períodos no asfalto, especialmente em dias quentes, visto que a alta temperatura desse tipo de solo pode acabar queimando as patas dos cães;
  • Para acostumar o cão com o esporte, inicie com uma corrida moderada e por um curto período de tempo, aumentando aos poucos o ritmo e a distância a ser percorrida;
  • E lembre-se: mais importante do que competir ou praticar exercícios, no canicross o principal objetivo é a diversão e o entrosamento entre o cão e seu dono.

Obesidade canina e a saúde dos cães

By Dog Dicas on 25 de outubro de 2010

Disfunções hormonais, solidão e carência também podem ser causas de obesidade nos cães (foto: Vandelizer | Flickr)

Ter um corpo com os, popularmente chamados, ‘pneus’ e ver o ponteiro da balança elevar-se rapidamente faz parte da realidade de 44% dos cães dos Estados Unidos, segundo um estudo da Association for Pet Obesity Prevention (Associação para Prevenção da Obesidade em Animais de Estimação). No Brasil, a estimava é que o problema atinja 40% da população canina.

A obesidade corresponde ao excesso de gordura corporal e, nos cães, pode estar associada à falta de atividades físicas, estresse, má alimentação ou disfunções hormonais.

De acordo com estudos, a obesidade em cães é causada, principalmente, pela superalimentação (alimentos com alto teor de gorduras e carboidratos), mas também há outros fatores como as disfunções hormonais, que atingem 25% dos cães, e o estresse, que provoca obesidade em 15% dos cães que passam muito tempos sozinhos ou que têm carência de atenção e, conseqüentemente, consomem alimentos em excesso como alívio de tensão.

O problema é mais comum entre animais adultos e idosos, especialmente entre fêmeas e cães castrados, e pode ser facilmente identificado pelo excesso de gordura ao redor do pescoço ou pelo aparecimento de dobras que não são características da raça.

Complicações

Assim como acontece em seres humanos, nos cães a obesidade provoca problemas na coluna vertebral (especialmente em raças caracterizadas pela coluna mais comprida, como teckel e basset hound) e, por conseqüência, transtornos no aparelho locomotor. Problemas nas articulações também são comuns, assim como agravamento da displasia em cães adultos e idosos e outras complicações, como hérnia e reumatismo, prejudicando o desenvolvimento do animal.

Além disso, o cão com excesso de gordura corporal pode apresentar dificuldades respiratórias, transtornos cutâneos (dentre os quais, eczema), aumento de colesterol, hipertensão e predisposição a diabetes e enfermidades infecciosas, o que diminui o seu tempo de vida.

Avaliação

A obesidade é um risco para a saúde do seu cão (foto: polietileno | Flickr)

Antes de tomar qualquer decisão, é importantíssimo avaliar se, de fato, o cão está obeso, visto que algumas raças são naturalmente mais ‘fofinhas’ que outras. Para tanto, é indispensável que o dono leve seu cão ao veterinário para constatar se o animal está, ou não, obeso.

Contudo, uma dica para saber se o cão está com excesso de gordura é agarrar a pele da região da costela e verificar se há uma dobra muito grossa (o que indica obesidade).

Dicas

Na luta contra a obesidade, é preciso uma mudança nos hábitos dos cães e de seus donos, visto que os animais não ingerem guloseimas por conta própria e dependem exclusivamente de seus proprietários para se alimentar. Diante disso, um dos fatores essenciais para o emagrecimento do cão, sem dúvida, é a consciência do dono, especialmente quando seu melhor amigo pede algo durante as refeições da família.

Outra dica é a prática regular de atividades físicas, como, por exemplo, a caminhada.
Veja abaixo outras dicas para colocar seu cão em forma:

  1. Faça com que seu cão pratique exercícios regularmente (caminhadas longas; brincadeiras com bola dentro e fora de casa). Para quem não tem tempo, há excelentes serviços no mercado que realizam – uma ou duas vez por semana – diversas atividades, como trilhas, aulas de natação e até mesmo exercícios com esteira para o cão;
  2. Caso o animal seja castrado, além de praticar atividades físicas, procure um veterinário e solicite uma dieta adequada (uma boa dica são as rações específicas para cães castrados, que são menos calóricas);
  3. Substitua a ração tradicional por uma light, que contém mais fibras, menos gordura e substâncias de suma importância para o animal, como a l-carnitina;
  4. Leia e siga as indicações do fabricante quanto à quantidade de ração a ser fornecida;
  5. Divida a ração em pequenas porções ao longo do dia para que seu cão tenha sempre a sensação de estar saciado;
  6. Dispense as guloseimas, como, por exemplo, biscoitos e petiscos – elas não são essenciais;
  7. Evite comer perto do cão e, se possível, mantenha-o longe na hora das refeições para não cair na tentação de alimentá-lo com comidas inapropriadas;
  8. Mantenha uma alimentação adequada desde os primeiros dias de vida. O cão que ingere uma quantidade de calorias maior do que seu organismo consome, inicia um processo onde pode se tornar um adulto obeso.

É importante ressaltar que a figura do cão gordo traduzida como um animal saudável é coisa do passado, pois a obesidade é um fator de risco e pode causar diversos agravos à saúde dos cães. Além disso, é fundamental que o dono procure um veterinário antes de agir por conta própria. Somente o profissional saberá precisar qual a origem da obesidade do animal e indicar o tratamento apropriado.

Calçado ou não? Eis a questão

By Dog Dicas on 11 de outubro de 2010

Sapatos para cães; benefício ou futilidade? (foto: miss kAz)

Com o crescimento da indústria da moda e a exigência cada vez maior do público consumidor de produtos para animais de estimação, o Brasil é responsável por movimentar, anualmente, mais US$ 10 bilhões no mercado pet, que inclui alimentos, medicamentos, higiene, estética, centros de adestramento e hotéis para atender cerca de 48 milhões de animais de estimação.

Com tudo isso, usar calçados no dia-a-dia já deixou, há tempos, de ser exclusividade dos seres humanos. Botas, tênis e até mesmo sandálias de todas as cores e marcas para cães podem ser facilmente encontradas em lojas especializadas em venda de produtos para o mundo pet. Mas a questão é: será que os sapatos para cães incomodam ou prejudicam o cachorro de alguma forma?

Especialistas apontam que, como tudo na vida, os sapatos para cães têm seu lado positivo e negativo. Dentre as vantagens, pode-se citar a higiene (já que, ao chegar em casa, os cães estão com as patas limpas, uma vez que estavam dentro dos calçados) e a proteção das patas contra queimaduras e eventuais machucados causados por espinhos, vidros e outros tipos de materiais.

Contudo, há profissionais que combatem veementemente o uso de tais acessórios, alegando que esta não é a condição natural do cão, que são desconfortáveis e ainda podem prejudicar sua postura e equilíbrio. Além disso, uma das desvantagens é que, se usado freqüentemente, os sapatos podem impedir que o cachorro lixe naturalmente suas unhas ao caminhar resultando em unhas grandes demais. Um inconveniente para o cão e seu dono.

Mesmo assim, os donos que querem calçar seus cães devem procurar seguir algumas dicas:

  • Acostume os cães a usarem sapatos desde filhotes para que, futuramente, não tentem retirá-los;
  • Observe se o calçado é confortável e anatômico;
  • Preste atenção ao tamanho da pata do seu cão: calçados apertados ou grandes demais incomodam e podem acabar machucando as patas;
  • Utilize o calçado durante o passeio, deixando-o com as patas livres quando estiver dentro de casa, pois o uso por muitas horas pode ser prejudicial ao animal. Lembre-se de que esta não é a sua condição natural.

Os sapatos para cães podem ser adquiridos por, em média, 60 reais em lojas do setor.

Um outra boa idéia é acompanhar as novidades em eventos como a Pet Fashion Week que sempre trazem novidades e tendências no ramo de animais de estimação.

Correr com seu cão: Alguns bons motivos para isso

By Dog Dicas on 16 de novembro de 2009

Cães de corrida
Correr com seu cão ajuda a dar vazão à agressividade  (foto: Liang Liao)

A cada dia, mais pessoas aderem à prática de jogging (ou cooper), que consiste em correr num ritmo moderado e regular. Com o aumento de praticantes, houve também um aumento no número de pessoas que levam seus cães como acompanhantes em suas corridas diárias.

Além de companhia, essa combinação traz diversos outros benefícios, tanto para você, quanto para o seu cão. Existe até uma modalidade oficial famosa, conhecida como Canicross, em que corredores e seus respectivos cães, correm juntos, unidos por uma espécie de coleira presa ao cachorro e à cintura do dono.

Se você gosta de correr, mesmo que eventualmente, conheça alguns bons motivos para levar seu cão com você:

  1. Ter um cão ao seu lado pode deixar a corrida mais prazerosa e menos maçante.
  2. É uma ótima maneira de combater a obesidade (para ambos).
  3. Seu cão não se importa com o que você está vestindo. Ele quer apenas sair com você.
  4. É um bom método para seu cão dar vazão àquela energia acumulada, que muitas vezes aparece em forma de agressividade.
  5. Para o seu cão nunca será tarde demais ou cedo demais para se exercitar. Ele sempre estará pronto para lhe acompanhar.
  6. Assim como as pessoas, cães se desenvolvem com exercícios. O exercício físico regular torna os cães mais felizes, mais saudáveis e mais fortes.
  7. Vai tirá-lo da rotina.
  8. Cães não perdem tempo falando. Eles não querem parar e conversar no meio da corrida. Eles não se importam com quem disse o quê ou a quem. Eles irão, no máximo, querer saber quem fez xixi aonde.
  9. Você não precisa comprar roupa, calçado, ou um iPod para o seu cão correr com você.
  10. É uma excelente oportunidade de socializar seu cachorro, de proporcionar-lhe vivência em novos ambientes e situações e vê-lo em ação nesses lugares.
  11. O entusiasmo de um cão ao ar livre é contagiante. Quando você vir o seu cão correr em campo aberto com o vento na cara, língua para fora e o olhar de alegria desenfreada, sentirá uma vontade incontrolável de se juntar a ele. E ele vai adorar!
  12. Corrida + cão + avistamento de pombos = TURBO!