Novo conceito traz reformulação das rações DogChow

By Dog Dicas on 14 de junho de 2011

Ração para filhotes Purina DogChow
O novo aspecto visual das embalagens da Purina DogChow (foto: Nestlé Purina)

Todos nós sabemos o quanto é importante alimentarmos nossos cães adequadamente, com uma dieta equilibrada, saudável, saborosa e adequada para cada fase da vida de nossos melhores amigos. E, é claro, para isso não medimos esforços e cuidamos da alimentação de nossos cães assim como fazemos com os membros de nossas famílias.

Pensando nisso, é que a Nestlé Purina, presente em 75 países, lançou recentemente um novo conceito para a linha de alimentos DogChow: “Ele é mais que um cão, é parte da família”.

Definido após uma pesquisa com mais de 4 mil proprietários de cães e gatos, cujos resultados demonstraram que a preocupação dos donos com a alimentação dos animais de estimação é a mesma que com os demais membros da família.

O novo conceito da marca DogChow Nutrição + Vida Saudável chegou no começo de junho ao mercado brasileiro – composto por cea de 32 milhões de cães, segundo dados de 2010 da Associação Nacional dos Fabricantes de Alimentos para Animais de Estimação (ANFAL) – com novo aspecto visual das embalagens, que vêm com cores marcantes e com mais informações sobre nutrientes, idade e porte do cão.

Além disso, de acordo com a fabricante, a DogChow Nutrição + Vida Saudável, apresentada em sete tipos de alimentos secos, teve sua composição nutricional enriquecida para auxiliar o desenvolvimento do sistema imunológico nos filhotes, melhorar as funções orgânicas e o funcionamento de órgãos como o pulmão e o coração e ainda servir como um alimento completo para a saúde de cães e gatos com idade acima de 7 anos.

Ainda segundo a Nestlé Purina, cuja fábrica fica em Ribeirão Preto (SP), a DogChow Nutrição + Vida Saudável será sua primeira marca a ingressar nas redes sociais. A previsão é de que até o final do mês de junho a DogChow Nutrição + Vida Saudável já esteja com perfis ativos no Orkut, Twitter e Facebook.

Cães órfãos pedem ajuda depois de desastre ambiental na serra

By Dog Dicas on 20 de janeiro de 2011

Mais de vinte cães já foram adotados (foto: Glauco Araújo / G1)

O maior desastre ambiental da história do país devastou a região serrana do Rio de Janeiro. No desespero para salvar a própria vida – ao mesmo tempo em que se perdia casa e familiares – muitos cães foram deixados para trás.

Muitos desses órfãos caninos sobreviveram e 150 foram resgatados em Teresópolis – uma das cidades afetadas pelas enchentes e deslizamentos. Depois das chuvas, muitos donos voltaram às suas casas para procurar seus animais de estimação e não os encontraram.

Alguns animais desaparecidos puderam ser localizados por seus antigos proprietários no abrigo da ONG Estimação. Entretanto, a maioria deles aguarda para ser adotada. Enquanto novos donos não aparecem, eles são cuidados por voluntários.

20 adoções já foram realizadas, mas é preciso mais. Mesmo quem não pode dar um novo lar para esses cães, também pode ajudar. Os abrigos pedem doações de ração, coleiras ou dinheiro.

Conheça os locais para doação:

Pelo Próximo e Clube do Totó (Postos de Coletas no Rio de Janeiro):
Flamengo: Rua Correa Dutra-99/loja5
Méier: Carla Bello -8829-9026Copacabana: Loja Bicho Bacana- Rua Sta. Clara, 110
Lojas Patas & Penas: Botafogo, Urca e Norte Shopping
Gávea: loja Pet Gávea- R. Marquês de São Vicente

Suipa – Sociedade União Internacional Protetora Dos Animais
Banco Itaú
Agência: 0584
Conta Poupança: 54979-4 / 511 (complemento)
CNPJ: 00.108.055/0001-10

Univida – Instituto Univida de Proteção Animal
Banco Itaú
Agência: 6542
Conta corrente: 06841-3

Grupo Estimação
Banco Itaú
Agência: 6103
Conta Corrente: 19918-5
CNPJ: 08.996.430/0001-17

WSPA (Sociedade Mundial de Proteção Animal)
Banco Bradesco
Agência: 0279
Conta-poupança: 172813-0
CNPJ: 04.363.242/0001-09

Metas para um novo ano por Cesar Millan

By Dog Dicas on 11 de janeiro de 2011

Cesar Millan em seu habitat (foto: cesarsway.com)

Um novo ano é um grande momento para definir novas metas para si mesmo, sua vida e seu relacionamento com os cães. Por isso, aqui vão algumas dicas de Cesar Millan para você pôr em prática com o seu companheiro e começar bem o seu próximo ano:

Deixe as desculpas de lado e encontre tempo para se dedicar ao seu cão: Ficar menos tempo longe de casa e reservar um tempo maior para seu animal de estimação fará com que você possa melhorar o vínculo com seu cão e fortalecerá ainda mais a sua imagem como o líder do grupo.

Desacelere e viva o momento: Os problemas e a correria do dia-a-dia podem, muitas vezes, nos cegar para as coisas boas em nossas vidas. Mas você não deve se esquecer de participar ativamente da vida de seu cão. Tente não se preocupar com o passado nem com os obstáculos que podem surgir no meio do caminho. Planeje um dia só para você e seu cão. Acorde, sinta-se feliz e dê um passeio para limpar sua mente. Desfrute das paisagens, sons e cheiros do mundo ao seu redor e, é claro, da companhia de seu cão. Afinal, todo mundo merece um pouco de férias. Com organização e dedicação, você poderá incluir no seu dia-a-dia essa atividade com seu cão.

Deixe seu cão ser um cão! Muitos proprietários agem como se seus cães fossem pessoas e pensam que suas mentes e emoções funcionam exatamente como as nossas. Contudo, humanizar um cão causa desequilíbrio e, consequentemente, torna o animal insatisfeito e perturbado. Então, ao invés de tentar fazer de seu cão um humano, dedique-se em conhecê-lo a fundo para saber quem e como ele realmente é. Lembre-se de que, em primeiro lugar, os cães são animais; em segundo, a espécie; em seguida, a raça; e, por último, o nome.

Restabeleça sua conexão com a natureza: Por inúmeros motivos, nós, seres humanos, somos diferentes de qualquer outro ser que vive nesse planeta. Nós temos o poder de racionalização, o que inclui o poder de enganar. Ao contrário dos demais animais, nós devastamos a Terra. Os cães, contudo, são exemplos que deveriam ser seguidos por nós para a salvação do ecossistema. Eles têm o instinto que muitos seres humanos perderam: o contato com a ‘Mãe Natureza’. Por meio de seu focinho, olhos e ouvidos, os cães passam horas desfrutando da natureza que os rodeia. Assim, aprenda com seu cão e vá fazer uma caminhada; respire o ar e as flores; vá acampar; faça uma viagem ou, simplesmente, sente-se e tome um sol ou medite sob as estrelas.

Snoopy completa 60 anos e ainda conquista fãs pelo mundo todo

By Dog Dicas on 30 de dezembro de 2010

Snoopy e Charlie Brown (foto: www.snoopy.com)

Você conhece o beagle carismático, dono de uma imaginação fantasiosa, que acaba de completar 60 anos? A resposta é: sim! Estamos falando de Snoopy, o famoso personagem de história em quadrinhos criado por Charles Schulz no final de 1950.

Snoopy chegou inesperadamente aos lares americanos numa tira de quadrinhos chamada Peanuts. Contudo, somente dois anos depois é que o beagle verbalizou pela primeira vez seus pensamentos aos leitores por meio de balões.

A partir daí, o cão, cujo nome inicial seria Sniffy (o nome mudou por coincidir com outro personagem de história em quadrinhos da época) conquistou uma legião de fãs cada vez maior com seu jeito divertido e seus sonhos engraçados enquanto dormia no teto de sua casinha.

Numa tentativa do autor de ‘humanizar’ o personagem e fazer com que os leitoresse enxergassem no pequeno beagle, no seu mundo de fantasia, Snoopy assumia a faceta de várias personalidades de renome, como, por exemplo, a de um piloto da Primeira Guerra Mundial (quando o personagem colocava óculos de aviador e capacete e voava em sua casinha) ou Joe Cool (quando colocava seus óculos de sol e se encostava na parede sem fazer nada). Mas na vida real Snoopy era um excelente shortstop da equipe de baseball de Charlie Brown, seu dono.

Seu melhor amigo era Woodstock, um pássaro amarelo que dialogava por meio de balões com apóstrofes e símbolos, o que, segundo o autor, era a “linguagem dos pássaros”.

Snoopy piloto (foto: Schulz)

Charles Schulz faleceu em 2000, mas sua esposa, Jeannie Schulz, conta que Snoopy foi influenciado por diversos cães que a família teve durante todos esses anos. Além disso, Jeannie lembra que, apesar de Snoopy ser um personagem da ficção, o autor se debruçava em pesquisas de profundidade antes de compor as histórias em quadrinhos visando tornar as temáticas o mais próximo possível da realidade, como ocorreu na série de Snoopy feita nos anos 60 sobre ambliopia (deficiência visual).

“Ele foi atrás de um amigo oftalmologista para obter informações sobre a doença e levou um bom tempo para processá-las antes de fazer uma história engraçada sobre o assunto. Charles constantemente aprendia coisas novas nessas pesquisas aprofundadas e suas tiras refletem todo esse conhecimento acumulado”, lembra Jeannie.

Outro fato curioso das tiras de Snoopy foi quando, ao invés de colocar notas musicais aleatórias nos balões, o autor colocou as notas de uma composição de Beethoven, seu ídolo, e se emocionou quando um pianista lhe escreveu uma carta comentando sobre o episódio.

Embora novas tiras não estejam mais sendo criadas, Snoopy ainda é distribuído em mais de 2.600 jornais do mundo todo e Jeannie fez do legado de seu falecido marido o trabalho de sua vida. Atualmente, ela está à frente da marca Snoopy e do Charles M. Schulz Museum, localizado Califórnia, que recebe visitantes de vários países.

Snoopy e Woodstock (foto: Schulz)

“Sempre dizemos ‘Charlie não teria gostado disso ou feito dessa maneira’. Por isso, espero que as pessoas que comandarem o museu e a marca Snoopy quando eu também me for digam: vamos fazer dessa maneira, pois foi assim que Jeannie nos ensinou”, confessa a esposa.

Mesmo com 60 anos, o cão, que odiava doces de coco e bolachas e tinha medo dos pedaços de gelo que balançavam em cima de sua casa, ainda tem sua imagem estampada em produtos pelo mundo todo e sua marca é sucesso absoluto de vendas.

Desenho animado

O sucesso das tiras de quadrinhos Peanuts foi tamanho, que em 1973 transformaram-nas em desenho animado de mesmo nome. O primeiro episódio da série, “A Charlie Brown Thanksgiving” (O Dia de Ação de Graças de Charlie Brown), foi o primeiro passo para popularizar ainda mais Snoopy e seus amigos e rendeu, inclusive, a filmagem de quatro longa-metragens de Snoopy.

Além de Snoopy e Woodstock, o desenho Peanuts também tinha como personagens de destaque:

  • Charlie Brown: é o dono de Snoopy e, apesar de ter oito anos e meio, vive cheio de preocupações. Possui humor melancólico, é calvo e está sempre de calças curtas.
  • Patty Pimentinha (ou Patrícia Pimentinha): a personagem caracteriza-se por ser bem humorada, não ir bem na escola e possuir uma paixão secreta por Charlie Brown, a quem chama pelo telefone, carinhosamente, de “Minduim”.
  • Marcie: é uma garota tímida, míope e boa aluna. Assim como sua melhor amiga (Patty Pimentinha), ela possui uma queda secreta por Charlie Brown.
  • Linus van Pelt: muito observador e erudito, o personagem é o melhor amigo de Charlie Brown e se caracteriza por aparecer sempre agarrado ao seu cobertor azul.
  • Lucy van Pelt: irmã mais velha de Linus, a personagem tem uma personalidade marcante: vive dando ordens, é egoísta e sarcástica.
  • Sally Brown: é a irmã mais nova de Charlie Brown. Além de ser muito crítica e teimosa, Sally não se interessa muito pelo baseball. É apaixonada por Linus, usa sempre um vestido azul ou rose e,  freqüentemente, aparece com uma flor na cabeça.
  • Schroeder: se distingue dos demais personagens pelo seu talento em tocar piano e sua paixão pela música clássica. É fã do compositor Ludwig van Beethoven.

Pet South America 2011 terá novidades para visitantes

By Dog Dicas on 21 de dezembro de 2010

A Pet South America é um dos eventos do mercado Pet mais importantes da America Latina (foto: NuernbergMesse / divulgação)

Um dos mais importantes eventos da América Latina voltados para o mercado pet e veterinário, a Pet South America, já tem data e local definidos para 2011: de 18 a 20 de outubro, no pavilhão Vermelho do Expo Center Norte, em São Paulo.

Durante a edição de 2010, a feira, promovida pela NürnbergMesse Brasil, recebeu mais de 20 mil visitantes que puderam conferir exposições de cerca de 200 marcas sobre estética, saúde, acessórios e alimentação animal.

Ligia Amorim, diretora-geral da NürnbergMesse Brasil, enfatiza a relevância do evento para o segmento pet. “Nosso objetivo é reunir as empresas mais expressivas do setor, estreitar relacionamentos e proporcionar um ambiente para geração de novos negócios”, explica.

Além disso, durante o evento também foram realizados o 8º Congresso Paulista de Medicina Veterinária (Convapet) e o 10º Congresso Paulista de Clínicos Veterinários de Pequenos Animais (Conpavepa). Ao todo, os congressos reuniram aproximadamente 1,6 mil profissionais.

“A realização de palestras tão importantes para a comunidade veterinária é resultado da parceria da Sociedade Paulista de Medicina Veterinária (SPMV) com a Associação Nacional de Clínicos Veterinários de Pequenos Animais (Anclivepa). Ambas as organizações reconhecem o crescimento da Pet South America como plataforma de negócios e ponto de encontro do segmento veterinário em toda a América Latina. A união destas entidades certamente fortalece o setor ao oferecer debates, discussões, estudos e pesquisas aos profissionais da área e ao meio acadêmico”, destacou Ligia.

Segundo os organizadores do evento, a 10ª edição da Pet South America estará cheia de novidades para os visitantes, dentre as quais a realização de um congresso único e inovador que reunirá 28 especialidades da medicina veterinária com o objetivo de promover debates e apresentar estudos e pesquisas a profissionais e estudantes de toda a América Latina.

“Nos vemos em outubro em novo pavilhão e com muito mais conteúdo”, adiantou um dos organizadores da Pet South America, uma das maiores plataformas negócios e ponto de encontro do segmento veterinário de toda a América Latina.

10ª edição da Pet South America será em outubro de 2011. Na programação do maior evento pet da América Latina já estão confirmados dois congressos.

Ou Eu ou o Cachorro, de Victoria Stilwell, ensina a educar seu cão

By Dog Dicas on 15 de dezembro de 2010

Ou Eu ou o Cachorro, livro de Victoria Stilwell, ensina aos donos como educar seu cão (foto: divulgação)

Seu cão anda desobedecendo, vive estragando suas coisas e ainda se comporta mal? Talvez a solução para esses problemas possa ser encontrada no livro “Ou eu ou o cachorro – dicas infalíveis para ter uma relação melhor com cães desobedientes”, escrito por Victoria Stilwell, treinadora de cães reconhecida por seu método da recompensa e apresentadora do Programa “Ou eu ou o Cachorro” (It´s Me or the Dog).

O livro, dentre outros assuntos, traz explicações sobre como funciona o mecanismo de aprendizagem dos cães e sobre o que fazer quando a situação com o pet está fora de controle.

Na introdução da obra a autora avisa que dará conselhos sobre cuidados gerais com os cães e apresentará soluções testadas na prática para os principais problemas com cães indisciplinados. Contudo, Victoria também ressalta logo de início que é contra o método da dominância: “treinamento não tem nada a ver com impôr sua vontade ao cachorro, mas, sim, dar a eles as ferramentas para que viva em seu mundo”.

Além disso, em todos os capítulos a treinadora reitera que para convivermos harmoniosamente com os cães é preciso que, desde filhotes, aprendamos a pensar como eles, falar sua língua e ver o mundo com seus olhos.

A grande novidade encontrada nas páginas do livro é o programa para aplicação em cães de todas as idades e raças. Elaborado por Victoria, o programa didático traz o passo-a-passo para educar os cães corretamente, falar com os animais, fornecer alimentação adequada e, finalmente, harmonizar a convivência dos seres humanos com seus animais de estimação.

Rico em ilustrações e com uma linguagem simples e atrativa, o livro – publicado no país em 2009 pela editora Panda Books – é um excelente guia tanto para donos de filhotes quanto para quem possui cães adultos com hábitos desagradáveis. Fica a dica para escolhê-lo como um ótimo presente de Natal.

Sempre ao seu Lado estréia dia 18 no Telecine Premium

By Dog Dicas on 13 de dezembro de 2010

Sempre ao seu lado / Hachiko – A Dog’s Story (foto: divulgação)

Até onde vai a lealdade de um cão ao seu dono? Esse é o questionamento levantado pelo filme “Sempre ao seu lado” (Hachiko – A Dog’s Story), que no próximo dia 18 (sábado), às 22 horas, estreará no Telecine Premium.

Lançado em 2009, o filme é uma refilmagem de “Hachikô monogatari”, um longa japonês de 1987. A narrativa é baseada na real e emocionante história de um professor da Universidade de Tóquio, Hidesaburo Ueno, e seu cão, Hachiko.

Após ser encontrado numa estação ferroviária pelo professor (Parker Wilson, no filme), um cão, da raça Akita, é adotado pelo personagem e sua esposa. Hachiko então passa a acompanhar o dono todos os dias até a estação de trem e o espera no mesmo local para retornarem juntos para casa depois do expediente. Contudo, um acontecimento inesperado prova que a relação de ambos é tão forte que transcende até mesmo os limites da morte.

Em japonês, Hachi significa o numeral oito que, devido ao seu formato entrelaçado, simboliza a ligação entre o plano espiritual e o terreno. Assim, “Sempre ao seu lado” é uma linda história de companhia e amor eterno que vale a pena ser assistida.

Canicross, um esporte para você e para o seu cão

By Dog Dicas on 10 de dezembro de 2010

Canicross
Canicross em Quebec, Canadá (foto: Michael Carpentier / Flickr)

Criado no início da década de 90, no Reino Unido, como uma espécie de treinamento para cães de trenó ou de tração, o canicross tornou-se um esporte de corrida com cães muito popular na Europa e chegou ao Brasil. Segundo informações da Fábrica Brasileira de Shows e Eventos, a criação da Federação Brasileira de Canicross está em andamento.

O canicross é uma corrida cross country, isto é, na natureza, onde o dono e seu cão competem juntos. O primeiro usa um cinto (Waist Belt) e o segundo um arreio especial (Running Harness) e ambos são unidos por uma guia com uma parte elástica (Canicross Line) para evitar trancos.

Durante a corrida, o cão vai na frente do corredor, que compete com as mãos livres mas tem que estar atento para projetar o corpo para trás, no caso de reduzir o ritmo do animal, e dar comandos de “esquerda” ou “direita” para o cão, de acordo com a direção da trilha da competição.

O primeiro Campeonato Mundial de canicross aconteceu em 2002 na província de Ravena (Itália). No canicross competido por profissionais não existe limite máximo de faixa etária, mas a idade dos cães não pode ser inferior a 1 ano e dos competidores não pode ser inferior a 7. As categorias (masculino e feminino) são divididas por idade dos corredores.

Ao contrário de outros tipos de competições profissionais que envolvem cães, o canicross não exige pedigree, por isso é permitida a participação de cães de todos os tamanhos e raças, incluindo os vira-latas.

Por trabalhar todos os músculos do corpo, o canicross é uma atividade física com inúmeros benefícios para a saúde dos cães e dos seres humanos. Por isso, para aqueles que querem manter a forma física ao lado do seu cão, seguem algumas dicas:

  • Antes de sair correndo, é aconselhável que tanto o cão quanto o dono realizem exames para verificar suas condições físicas e de saúde;
  • O cão e o corredor devem beber bastante água fresca antes, durante e após a corrida para ficarem hidratados;
  • Não alimente o cão antes ou logo após a corrida para evitar complicações;
  • O ideal é praticar o canicross em terrenos irregulares, com terra e área verde. Contudo, aqueles que desejam treinar aos finais de semana nas proximidades de sua residência devem evitar fazê-lo por longos períodos no asfalto, especialmente em dias quentes, visto que a alta temperatura desse tipo de solo pode acabar queimando as patas dos cães;
  • Para acostumar o cão com o esporte, inicie com uma corrida moderada e por um curto período de tempo, aumentando aos poucos o ritmo e a distância a ser percorrida;
  • E lembre-se: mais importante do que competir ou praticar exercícios, no canicross o principal objetivo é a diversão e o entrosamento entre o cão e seu dono.

Adestramento de cães aumenta audiência no Domingão do Faustão

By Dog Dicas on 9 de dezembro de 2010

Betty Lago e o seu Golden Retriever, Chico (foto: Globo.com / divulgação)

Ensinar truques, fazer o cão executar com perfeição comandos de adestramento e ser premiado com um carro 0 km. Esse é o objetivo do quadro Cachorrada Vip, que estreou sua segunda edição no último dia 28/11 no programa Domingão do Faustão.

O quadro reúne seis personalidades do ‘mundo dos famosos’ que, com o auxílio do adestrador André Barreto, têm que treinar seus cães para mostrarem suas habilidades e obediência no menor tempo possível no palco do programa.

Dentre as tarefas a serem cumpridas pelos cães sob o comando de seus donos, estão exercícios de Agility, obediência a comandos como “senta”, “late”, “fica”, “deita”, além de treinamentos semanais intensivos.

Ao ficar com a maior nota da segunda fase da competição no programa do dia 05/11, a atriz Carolinie Figueiredo se emocionou no palco com seu cão Tuffo.

“Ele era teimoso, mal educado, e após um mês de treinamento já está respondendo aos comandos. Quando ele aprendeu a sentar, quase chorei. A gente está bem mais próximo, mudou o comportamento”, contou.

Para Gustavo Leão, ator, participar do Cachorrada Vip está sendo uma das melhores experiências de sua vida. “Ele é inteligente e quando chega nos treinos vai direto para os exercícios. Percebo que ele está mais comportado em casa. A competição está fazendo com que eu conheça mais o meu cachorro, melhorando nossa convivência”, afirmou o dono de Snow.

Julgados por uma equipe composta por atores convidados e um adestrador profissional de cães, os participantes da segunda edição do Cachorrada Vip são: Tande (ex-jogador de vôlei) com seu micro maltês Zack; Gustavo Leão e seu westie Snow; Ellen Jabour e seu vira-lata Pluft; Betty Lago com seu golden retriever Chico; Carolinie Figueiredo com seu poodle Tuffo e Rafael Cardoso com seu golden retriever Elvis (dupla eliminada no último domingo 05/12).

A dupla que mostrar maior entrosamento e obtiver as melhores notas em decorrência de truques executados com perfeição e de obediência ao maior número de comandos será premiada ao final da atração com um carro 0 km. As vencedoras da primeira edição do quadro, em 2009, foram a cadela Manu e sua dona, a atriz Fiorella Mattheis.

Biovet esclarece acusação de vacinas antirrábicas inseguras

By Dog Dicas on 3 de dezembro de 2010

Após publicação da Nota Técnica nº 161/2010 dos Ministérios da Saúde e Agricultura, uma série de notícias relatando que o Governo Federal proibiu as vacinas antirrábicas fabricadas pelo laboratório Biovet se espalhou pelos veículos de comunicação brasileiros e, conseqüentemente, pela Internet.

Algumas matérias publicadas, inclusive, chegaram a responsabilizar o fabricante pela morte de dezenas de animais imunizados durante a campanha de vacinação antirrábica, suspensa no país, oficialmente, em outubro de 2010. Diante disso, a Dog Dicas entrou em contato com o Laboratório Biovet para obter uma posição da empresa a respeito do fato e obteve as seguintes informações:

1) De forma transparente, o Laboratório Biovet continua em sintonia com todos os órgãos oficiais competentes para prestar os esclarecimentos necessários à sociedade sobre a qualidade dos lotes/partidas nº 059/2010, 139/2010, 177/2010 e 213/2010 da vacina RAI-PET 25 doses que forneceu à Campanha Nacional de Imunização de Cães e Gatos.

2) Nesse sentido, sobre a NOTA TÉCNICA divulgada em 29/11 pela Secretaria de Defesa Agropecuária (SDA) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), o Laboratório Biovet destaca a seguinte informação oficial sobre os eventos adversos relatados na mídia: “Após realização de auditoria no sistema de produção da empresa Biovet, constatou-se que não ocorreram alterações na metodologia de produção e de controle da qualidade que justifiquem o aparecimento desses eventos adversos.”

3) O MAPA informa ainda que, dos quatro lotes/partidas da vacina RAI-PET, 25 doses fornecidos à campanha, apenas um (nº 059/2010) apresentou resultados discrepantes, mas até o momento “não foi possível chegar a uma conclusão sobre o motivo da alteração constatada nessas amostras”.

4) Dessa forma, o Laboratório Biovet volta a informar que a vacina RAI-PET possui licença de fabricação desde o ano de 2003 (no. 8.657), e todos os lotes do produto são aprovados oficialmente, conforme mencionado na referida NOTA TÉCNICA do MAPA: “Vale ressaltar que 100% das partidas da vacina fabricadas e importadas são testadas em laboratórios oficiais antes de serem comercializadas, para avaliação da segurança e eficácia e, na ocasião, não foi detectado nenhum problema no processo produtivo da vacina antirrábica canina.”

5) Por sua vez, o produto RAI-PET apresentado em frasco com uma dose (1 mL) continua com sua comercialização normal.

Para mais informações e esclarecimentos, o Biovet disponibiliza o telefone 0800.055.66.42 para atendimento público.

Loja virtual Greenvana comercializa produtos Pet ecologicamente corretos

By Dog Dicas on 2 de dezembro de 2010

Lançador de bambu da Greenvana, com bolinha reciclada (foto: Greenvana / divulgação)

Que tal carregar o seu cão numa bolsa de lona reutilizada ou, ainda, vesti-lo com uma camiseta feita de tecido de garrafas PET recicladas? Esses e outros produtos ‘ecologicamente corretos’ podem ser encontrados no site da Greenvana Eco Store, uma nova loja de departamentos virtual que comercializa produtos ‘ecos’ de diversos fabricantes nacionais e internacionais, oferecendo aos clientes várias opções para um consumo sustentável.

Pioneira no mercado nacional, a loja de departamentos virtual é fruto da união de um time de especialistas que fez com que o projeto saísse do papel e se transformasse num site com explicações claras sobre todos os artigos do universo eco comercializados pela Greenvana.

“Nosso objetivo é informar os nossos consumidores sobre o que faz um produto ser considerado eco. Se é reciclado, reciclável, biodegradável, livre de químicos nocivos, natural e orgânico, proveniente de energia limpa e se respeita o comércio justo. Assim, todos podem aprender a ajudar o planeta de forma prática e com muito estilo”, diz Luciana Couto, responsável pela seleção e aprovação do mix de produtos do portal.

Com elegância, conforto e praticidade, os itens do departamento pet vão desde produtos de higiene feitos com ingredientes orgânicos e naturais, como, por exemplo, o Shampoo de Secagem Rápida Empóriopet, até casinha para transporte de animais feita de papelão.

“A maioria das pessoas que já tem a intenção ou disposição de consumir produtos sustentáveis não sabe ainda identificar o que realmente é eco nem que tipos ou quais produtos existem. Nós oferecemos um guia de compras abrangente e transparente com muita informação e opções para todos os gostos”, conta Alice Lobo, diretora de conteúdo da loja virtual.

Loja Física

Além do site, recentemente a Greenvana inaugurou também a sua primeira loja física, piloto de um projeto de franquias que terá início no primeiro trimestre de 2011. Localizada no Espaço Nirvana (Praça Santos Dumont, 31 – Jockey Club – Gávea), no Rio de Janeiro, a loja traz diversos produtos e soluções encontradas na Eco Store da Internet.

Loja virtual comercializa produtos Pet ecologicamente corretos

Casas de papelão e bolsas de lona reciclável para transportas cães são algumas das opções de produtos sustentáveis encontradas

Que tal carregar o seu cão numa bolsa de lona reutilizada ou, ainda, vesti-lo com uma camiseta feita de tecido de garrafas PET recicladas? Esses e outros produtos ‘ecologicamente corretos’ podem ser encontrados no site da Greenvana Eco Store (www.greenvana.com), uma nova loja de departamentos virtual que comercializa produtos ‘ecos’ de diversos fabricantes nacionais e internacionais, oferecendo aos clientes várias opções para um consumo sustentável.

Pioneira no mercado nacional, a loja de departamentos virtual é fruto da união de um time de especialistas que fez com que o projeto saísse do papel e se transformasse num site com explicações claras sobre todos os artigos do universo eco comercializados pela Greenvana.

“Nosso objetivo é informar os nossos consumidores sobre o que faz um produto ser considerado eco. Se é reciclado, reciclável, biodegradável, livre de químicos nocivos, natural e orgânico, proveniente de energia limpa e se respeita o comércio justo. Assim, todos podem aprender a ajudar o planeta de forma prática e com muito estilo”, diz Luciana Couto, responsável pela seleção e aprovação do mix de produtos do portal.

Com elegância, conforto e praticidade, os itens do departamento pet (http://br.greenvana.com/departamento/C187/pet) vão desde produtos de higiene feitos com ingredientes orgânicos e naturais, como, por exemplo, o Shampoo de Secagem Rápida Empóriopet (http://br.greenvana.com/Produto/Pet/Higiene-e-Perfumaria/Emporiopet/Shampoo-Secagem-Rapida-Emporiopet.aspx), até casinha para transporte de animais feita de papelão (http://br.greenvana.com/Produto/Pet/Acessorios/Ecobichos/Porta-Pet-Ecobichos.aspx).

“A maioria das pessoas que já tem a intenção ou disposição de consumir produtos sustentáveis não sabe ainda identificar o que realmente é eco nem que tipos ou quais produtos existem. Nós oferecemos um guia de compras abrangente e transparente com muita informação e opções para todos os gostos”, conta Alice Lobo, diretora de conteúdo da loja virtual.

Loja Física
Além do site, recentemente a Greenvana inaugurou também a sua primeira loja física, piloto de um projeto de franquias que terá início no primeiro trimestre de 2011. Localizada no Espaço Nirvana (Praça Santos Dumont, 31 – Jockey Club – Gávea), no Rio de Janeiro, a loja traz diversos produtos e soluções encontradas na Eco Store da Internet.

A história de Laika: progresso ou crueldade?

By Dog Dicas on 28 de novembro de 2010

Laika em testes na pequena cabine que iria ao espaço (foto: reprodução / internet)

Recolher um jovem cão de rua e treiná-lo para uma experiência pública de progresso, que o matará em poucas horas, em condições inóspitas, solitárias, imprevisíveis, apavorantes e sem chance de sobrevivência, lhe parece cruel? Pois foi isso que aconteceu com Laika, uma cadela vira-lata de aproximadamente 2 anos de idade, 6 kg e sem dono, encontrada nas ruas de Moscou.

A história de Laika começa em 14 de outubro de 1957, dez dias após o primeiro satélite artificial (Sputnik 1) ser colocado em órbita, quando, para se provar ao mundo o poder da União Soviética, se ordenou que fosse lançado um satélite com um ser vivo a bordo em comemoração aos 40 anos da Revolução Russa.

Laika passou então a fazer parte de um grupo de dez cães treinados por Oleg Gazenko, no Instituto de Medicina da Força Aérea, para vôos espaciais. Somente três cadelas, Albina, Laika e Mukha, foram escolhidas para passar por treinamentos intensos e estressantes de resistência a vibrações (simulador de vôo), acelerações, cargas G em máquinas centrífugas, altos ruídos e permanência em compartimentos cada vez menores, por até 20 dias. A escolha de fêmeas se deu, entre outros fatores, pelo fato de que, ao contrário dos machos, elas não têm a necessidade de ficar em pé e erguer uma perna para urinar, o que era impossível de ser realizado na pequena cabine pressurizada destinada ao cão dentro da nave. Dentre as três, Laika foi escolhida por sua personalidade tranqüila e paciente.

Laika antes de ser colocada na cabine do Sputnik 2 (foto: reprodução / internet)

No dia 3 de novembro de 1957 (2 de novembro, no Brasil) é lançado então o Sputnik 2, na Rússia, com Laika a bordo. Fixada ao chão da nave com uma espécie de cadeira que a impedia de se movimentar e equipada com um recipiente para armazenar seus excrementos, Laika começa a uivar apavoradamente devido ao barulho ensurdecedor e às vibrações do lançamento. Seu ritmo cardíaco dispara e chega a três vezes acima do normal.

Moscou afirmava ao mundo que em poucos dias Laika retornaria numa cápsula espacial ou em um pára-quedas. Mas apesar do que era divulgado, Moscou sabia, desde o início, que Laika não retornaria com vida de sua missão, pois o Sputnik 2 não possuía tecnologia para regressar à Terra.

Era uma viagem só de ida.

Então, depois de várias especulações sobre o assunto, finalmente foi feito o anúncio oficial de que Laika não mais voltaria, mas morreria sem dor no espaço, após uma semana.

Foto rara feita por um astrônomo amador dos últimos quinze segundos de existência do Sputinik 2 e sua tripulante, morta há meses. (foto: Spacenews.geoman.net)

Deste momento em diante, muitas versões para a morte da solitária tripulante foram apresentadas, inclusive de que que Laika teria morrido após cerca de 10 dias em órbita, através de uma injeção letal. Mas foi somente em 2002, quarenta e cinco anos depois, que Dimitri Malashenkov, um dos cientistas da equipe na época, revelou que Laika morreu devido a um problema na desacoplagem de uma parte do satélite que interrompeu o sistema de controle térmico e, consequentemente, elevou a temperatura interna do Sputinik 2 para 40ºC.

Submetida a um cenário de pânico, calor extremo e desespero, Laika finalmente morreu, entre cinco e sete horas depois do lançamento.

O Sputnik 2 deu 2.570 voltas ao redor da Terra, cerca de 100 milhões de quilômetros, até consumir-se na atmosfera com os restos mortais de Laika, no dia 14 de abril de 1958.

Apesar de sua morte, os cientistas afirmaram que a viagem de Laika possibilitou o conhecimento da reação de um ser vivo em órbita e, conseqüentemente, deu início aos vôos espaciais tripulados por seres humanos.

Laika foi o primeiro ser vivo terrestre a orbitar a Terra. Após sua missão, nenhuma outra foi realizada sem que se tivesse a possibilidade tecnológica de retorno do animal.

Homenagens

Ainda nos dias atuais a história de Laika emociona milhares de pessoas pelo mundo. Desde 1997 Laika possui sua placa em Baikonur, a cidade das estrelas, juntamente com as dos demais cosmonautas mortos. Em 2008, no centro de Moscou, foi inaugurado um monumento de 2 metros de atura próximo ao Instituto de Medicina Militar (onde foram feitos os cruéis testes com o grupo de cães) que consiste numa parte de uma espaçonave no formato de uma mão humana que segura o seu corpo.

Dentre as homenagens pelo mundo todo à Laika estão cadelas com seu nome, selos postais com sua imagem, marcas com seu nome e uma série de produtos com sua foto.

Chegada do Natal aquece as vendas dos Pet shops

By Dog Dicas on 26 de novembro de 2010

Considerados cada vez mais como membros da família, os cães passaram a participar das festividades de final de ano e, principalmente, da tradicional ceia de Natal.

Desse modo, a chegada desta data comemorativa é sinônimo de aquecimento nas vendas de pet shops e empresas do mundo todo que investem em produtos natalinos específicos para animais de estimação.

Alimentos e guloseimas

Para possibilitar que o cão participe com a família da ceia de um modo saudável, nessa época as indústrias do segmento pet investem, maciçamente, nas mercadorias alimentícias, que são criadas e testadas por veterinários e possuem uma fórmula nutricional especial para os cães, livre de substâncias nocivas à saúde do animal.

Panedog da Chocodogs - sabor de chocolate mas com composição adequada aos cães (foto: Chocodogs)

Exemplo disso é o panetone para cães na versão salgado (recheado com carne) ou doce (com sabor de chocolate – segundo o fabricante, eles não são feitos de chocolate de fato, mas sim de uma composição própria sem Theobromina). Para completar a ceia canina também existem os biscoitos natalinos, os brownies e, até mesmo, os bombons em formatos característicos da data.

Os fabricantes dizem, ainda, que apesar de serem feitos especialmente para os cães, tais alimentos não são contra-indicados para seres humanos, que podem, sem problema algum, experimentá-los e matar a curiosidade. Entretanto, os produtores alertam que esses produtos não substituem as refeições diárias do cão, por isso devem ser utilizados como uma deliciosa recompensa ou em momentos especiais.

Roupas e Brinquedos

Para caracterizar os cães e tornar a festa mais divertida, muitos donos optam por vesti-los com camisetas, roupas de Papai Noel ou Mamãe Noel, gravatas, gorros ou laços vermelhos. Entretanto, especialistas fazem um alerta para que a brincadeira seja sadia: as roupas devem ser utilizadas por um curto período de tempo, assim como os gorros com elástico, pois podem irritar o cão, causar dermatite ou fazer com que o animal enrosque as patas e, consequentemente, se machuque.

Dentre os brinquedos escolhidos para presentear os cães no Natal, os campeões são os bichinhos de pelúcia, seguidos pelos brinquedos de borracha ou que têm cordas (para limpar os dentes e ajudar a evitar o tártaro). Mas, para aqueles que não querem economizar com os cães há diversos produtos sofisticados, como, por exemplo, óculos de sol, produtos de higiene importados e até perfumes franceses, como o Oh My Dog!

A dica, de acordo com especialistas, é não exagerar no tempo de uso (para roupas e utensílios) ou na quantidade de porções oferecidas (no caso de comidas), pois todos esses produtos não fazem parte da condição natural do cão.

E lembre-se: não importa qual a forma ou a mercadoria escolhida para presentear seu cão no Natal, o maior presente para ele é ser amado por você.

Victoria Stilwell é referência no método da recompensa

By Dog Dicas on 24 de novembro de 2010

Victoria Stilwell
Victoria Stilwell é contra técnicas de dominância e defende que cães não devem ser punidos (foto: reprodução / internet)

Na atual era da sociedade midiática, assistir semanalmente à programas internacionais de reality shows para aprender a educar cães corretamente já faz parte do cotidiano de milhões de pessoas. Mas você conhece Victoria Stilwell, a ‘supernanny’ dos cães indisciplinados?

Reconhecida mundialmente por sua metodologia de treinamento que utiliza o reforço positivo, Victoria Stilwell é treinadora de cães e apresentadora do programa ‘Ou Eu ou o Cachorro’ cuja transmissão, no Brasil, acontece no canal GNT.

Nascida em 1969, em Wimbledon (Inglaterra), Victoria iniciou sua carreira em 1990, quando, ao criar sua própria Cia. de cães de passeio, percebeu a dificuldade dos treinadores em educar os cães com um método bem sucedido. Posteriormente, ainda em Londres, Victoria fez diversas participações em filmes, séries de TV e comerciais e, simultaneamente, iniciou seus estudos sobre treinamento de cães pela aprendizagem do reforço positivo com renomados behavioristas da Grã-Bretanha. A treinadora mudou-se para os Estados Unidos (New York) em 1999 e trabalhou como consultora comportamental em diversas organizações de resgate animal ministrando palestras e seminários de resgate, formação e reabilitação de cães.

O reforço positivo mostra ao cão como se comportar e de que forma se comportar bem traz prazer

Admirado e seguido por milhões de profissionais e proprietários de cães, seu método de educação canina é embasado no reforço positivo de treinamento, que, por meio de petiscos e agrados, mostra ao cão que atitudes positivas têm recompensa, e combate, veementemente, a dominância, a agressividade e a punição diante de maus comportamentos do animal.

“Muitos comportamentos negativos de nossos cães acontecem porque eles vivem sob as regras de nossa casa, estranhas aos animais, e acabam desenvolvendo problemas como estresse, ansiedade e insegurança. Se você punir esse animal, poderá fazê-lo se comportar de forma ainda pior e incentivá-los a se tornarem agressivos. O reforço positivo mostra ao cão como se comportar e de que forma se comportar bem traz prazer”, explica Victoria.

Além disso, Victoria também é autora do livro “Ou eu ou o cachorro” (Panda Books, 2009) e criadora do licenciamento para adestradores adeptos do reforço positivo, que permite que, ao acessar seu site, os donos de cães saibam onde há adestradores que utilizam sua metodologia.

Atualmente, Victoria mora em Atlanta com seu marido, sua filha e seu cão Sadie.

Cesar Millan encerra turnê 2010

By Dog Dicas on 19 de novembro de 2010

Cesar Millan em turnê (foto: Cesar Millan Inc)

Interatividade com a platéia, alegria e muita informação a respeito do comportamento dos cães. Essa foi a fórmula de sucesso da última turnê do encantador de cães, Cesar Millan, “Cesar Millan Live Canada Tour 2010”, que, após 14 apresentações no Canadá, se encerrou no último domingo (14/11/2010).

Com acesso restrito apenas a ‘humanos’, os shows revelaram a centenas de pessoas, por meio de simulações de cenas cotidianas com os próprios cães no palco, os segredos de Millan para educar os cães e acabar com os transtornos causados por maus comportamentos, harmonizando assim a convivência dos donos com seus cães.

Além disso, durante a temporada canadense, Cesar Millan também procurou desmitificar os pit bulls (raça de Daddy, seu cão preferido que morreu no início do ano).

O sucesso da turnê foi tão grande que a equipe do encantador de cães recebeu inúmeros pedidos de donos que queriam candidatar seus cães para serem utilizados nas demonstrações durante os shows.

Resta agora ficar atento para saber se a turnê terá continuidade no ano que vem e por quais locais passará. Aos fãs brasileiros do encantador de cães, a dica é torcer para que as apresentações cheguem por aqui ou, ao menos, passe pela América Latina.

Cachorro na cama, pode?

By Dog Dicas on 8 de novembro de 2010

Cachorro na cama
Especialistas não recomendam cães na cama dos donos  (foto: Vincent Garcia / Flickr)

O dilema de dividir ou não a cama com seu cão atormenta muitos proprietários, que, na maioria das vezes, geram esse hábito nos animais enquanto ainda filhotes e precisam de ajuda para subir na cama. Contudo, o ato de carinho pode se tornar um problema com o passar do tempo. Mas, afinal, é certo que os proprietários dividam a cama com seu animal?

Segundo a pesquisa Radar Pet, realizada em 2010 pela Comissão de Animais de Companhia (Comac), do Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Saúde Animal (Sindan), 55% dos cães brasileiros passam a noite dentro de casa, dos quais 23% ficam no quarto dos proprietários e 12% têm seu próprio quarto. Os demais 11% passam a noite na sala e apenas 9% dorme no banheiro ou na lavanderia.

Apesar do resultado da pesquisa, para muitos especialistas não é recomendado que os cães, assim como acontece com as crianças, durmam na mesma cama que os ‘pais’. A medida serve para evitar, principalmente, a possessividade, carência e até mesmo a agressividade do animal quando alguém se aproxima de seu dono. Além disso, dormir junto com o cão pode ser prejudicial se o animal não estiver devidamente higienizado.

Para aqueles que não abrem mão da companhia do cão na hora do sono, as recomendações são vermifugação e vacinação do animal em dia; higiene das patas antes de colocá-lo na cama (pode-se até utilizar um secador após lavar as patas para evitar que fiquem úmidas) e troca diária de lençóis e fronhas.

 dormir junto com o cão pode ser prejudicial se o animal não estiver devidamente higienizado

Já para os proprietários que querem abandonar o costume, a tarefa é um pouco mais difícil, mas não impossível. Seguem as dicas: A primeira coisa a se fazer é escolher uma cama confortável e ideal para o tamanho do animal. Em segundo lugar, não permita mais que o cão suba na sua cama e, caso o faça, você deve retirá-lo imediatamente e repetir a ação sempre que o animal insistir.

Uma orientação para facilitar a separação entre o dono e o cão na hora de dormir é passear todos os dias com o cão antes de dormir com o objetivo de cansá-lo, para que ele adormeça facilmente. E finalmente, conduzir o cão até a nova cama dele, tirando-o do seu colchão caso volte a subir.

Para ajudar o cão a se acostumar com o novo local de descanso, a dica é colocar a cama dele no ambiente onde ele está acostumado a dormir (no quarto ou na sala, por exemplo), deitar-se ao lado dela, chamar o animal pelo nome, usando comandos como ‘cama’, ‘senta’, ‘deita’ e ‘fica’ (recompensando-o sempre que acertar) e acariciar o cão até que ele relaxe e adormeça.

A tarefa pode ser um pouco cansativa, sim, mas especialistas garantem que o cão logo assimila o novo espaço para dormir e o resultado aparece em até uma semana.

Filhotes: 5 erros de comportamento dos donos

By Dog Dicas on 25 de outubro de 2010

Filhote mordendo
Dentre as inúmeras brincadeiras que se faz com um cão, muitas pessoas dão a mão para que o filhote brinque de mordê-la (foto: Jaybird – J. Star / Flickr)

No início, muitas pessoas acham graça ao ver um filhote destruindo o chinelo, rosnando para o dono ou brincando de cabo de guerra. Contudo, segundo especialistas, o comportamento do dono nessa frase é crucial pois 99% dos problemas que estes tem com seus cães decorrem da falta de imposição de regras nos primeiros meses de vida.

Os especialistas explicam que o comportamento do animal se constrói enquanto ele ainda é filhote e que este é o momento ideal para eliminar maus-hábitos e alinhar seu comportamento, já que até os três meses de idade a memória canina é similar a uma folha em branco.

Confira os cinco erros mais comuns dos proprietários com seus filhotes e dicas para suas respectivas soluções:

1. Falta de um líder: Os cães, por natureza, são animais de matilha e essa, por sua vez, necessita de um líder. Se nenhum morador da casa assumir esse papel, o filhote o assumirá. Portanto, desde os primeiros meses o dono deve se impôr como líder e deixar claro quem comanda o território.

2. Receio de repreender o filhote: Logo nos primeiros dias de vida o filhote não possui experiência prévia para lhe indicar o que seja certo ou errado – o que pode e o que não pode -, por isso é o dono quem deverá ensiná-lo. Não repreendê-lo quando fizer algo incorreto, por exemplo, poderá acarretar problemas futuros. Repreender não significa maltratar, mas sim lhe apresentar uma situação indesejada como conseqüência do que ele fez, desestimulando sua repetição. Pronunciar uma palavra de repreensão em tom firme no momento em que o cão praticar a ação indesejada, como um ‘não!’ enérgico, é um exemplo.

3. Brincadeiras de morder: Dentre as inúmeras brincadeiras que se faz com um cão, muitas pessoas dão a mão para que o filhote brinque de mordê-la, resultando em pequenos cortes e arranhões. A brincadeira, engraçada no início, pode trazer uma série de problemas sociais quando o cão estiver adulto, pois se ele aprende que é permitido morder, provavelmente utilizará dentadas freqüentemente ao longo de sua vida. Para corrigi-lo, pode-se usar uma técnica que consiste em colocar o polegar na língua do cachorro e pressionar até que ele tente empurrá-lo para fora de sua boca. Essa técnica deve ser feita de modo rápido e somente no ato da mordida (jamais deve-se utilizá-la como maneira preventiva). Não se deve esquecer de sempre utilizar a palavra de repreensão enquanto aplica a correção e de não permitir que nenhum outro membro da família ou amigos deixe-se morder. Brinquedos próprios para cães são uma alternativa para suprir esta necessidade.

Muitas pessoas dão a mão para que o filhote brinque de mordê-la… A brincadeira, engraçada no início, pode trazer uma série de problemas sociais quando o cão estiver adulto

4. Falta de controle nos passeios: Para muitas pessoas a hora do passeio é sinônimo de confusão, pois enquanto o dono vai para um lado, o cão puxa para o outro, seja buscando postes, outros animais ou mesmo correndo atrás de carros e motos. Primeiramente só se deve passear na rua com o cão após ele ter tomado todas as vacinas, enquanto isso, segundo comportamentalistas, pode-se acostumá-lo com a coleira folgada algumas horas por dia, dentro de casa. A partir do momento em que o animal puder passear em locais públicos, e o ideal é fazê-lo diariamente, deve-se aumentar o tempo dos passeios de forma gradativa. Sempre que for sair de casa para dar uma volta, a orientação é, primeiramente, colocar guia e coleira adequada ao tamanho do cachorro, posicioná-lo do lado esquerdo e começar a andar levando o cão ao lado. Todas as vezes que ele puxar a guia ou travar deve ser repreendido com as palavras de repreensão e um puxão. Quando o cão andar junto e sem puxar, o dono deve elogiar o animal com palavras ou petiscos, manter a guia folgada e dar comandos que indiquem sincronismo, como, por exemplo, ‘junto!’.

5. Isolamento na hora das refeições: A maioria das pessoas coloca ração para o filhote no pote e sai para fazer outras coisas, deixando-o se alimentar sozinho. Desse modo, o cão aprende que a hora da refeição deve ser um momento solitário e pode reagir agressivamente todas as vezes em que está comendo e alguém chega perto dele ou do próprio pote de ração. Uma dica para evitar essa agressividade desde os primeiros dias de vida é sempre que possível ficar próximo ao filhote durante as refeições, acariciando seu pêlo e colocando a mão no pote de ração do animal enquanto ele se alimenta. Isso fará com que o cão se acostume com a presença humana durante sua alimentação e evitará que, futuramente, o animal avance nas pessoas na hora da comida ou se torne agressivo quando, por algum motivo, o dono precisar manusear seu pote de ração. Caso o filhote rosne ou morda o dono durante esse exercício, é importante que haja repreensão no mesmo instante e até mesmo, se necessário, a retirada da comida. Restabelecida a calma, o proprietário pode devolver o pote para dar continuidade à refeição. Segundo especialistas, essa atitude é fundamental para o cãozinho aprender que o dono é o líder e pode manusear ou simplesmente retirar o alimento a qualquer hora.

Mesmo com essas dicas, é de suma importância que você procure um médico veterinário para realizar um acompanhamento pediátrico com seu filhote. Só assim você garantirá orientação profissional correta, vermifugação e vacinação em dia.